Pular para o conteúdo principal

Amamentação

O que é a amamentação?

É ato de alimentar com o leite materno.

Ao nascer, e por alguns meses, o sistema digestivo de um bebê produz sucos que lhe possibilitam digerir o leite materno, mas ainda não está amadurecido para digerir outros alimentos.
Assim, o leite materno é de vital importância para sua sobrevivência.

Bebês que são alimentados com leite materno têm acréscimo maior de peso no segundo e terceiro mês de vida, e a partir disso o ganho é mais lento.
Quando alimentados com leite de vaca ou outro animal, ocorre o inverso: o crescimento inicial é mais lento, porém após o quarto mês o crescimento se torna acelerado.

No primeiro ano de vida, o crescimento ocorre de forma muito veloz, e para suprir esse desenvolvimento é muito importante a ingestão correta e suficiente de calorias e proteínas.
O leite materno sozinho atende a essa necessidade, porém ocorrem casos em que pode ser necessário incluir outro tipo de alimento.

Por que amamentar?

O leite materno é diferente de qualquer outro tipo de leite, seja em pó ou de origem animal. Possui todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o bebê necessita para que se mantenha saudável e se desenvolva corretamente, e possui elementos que outros alimentos não são capazes de prover, como, por exemplo, anticorpos e glóbulos brancos.
Assim, o leite materno além de alimentar, ainda leva ao bebê a proteção e prevenção de doenças no bebê. Desenvolve seu sistema imunológico e o protege enquanto ele mesmo ainda não pode se defender de doenças.
A amamentação exclusiva nos 6 primeiros meses é importantíssima para o amadurecimento do sistema imunológico,dando às crianças assim alimentadas maior resistência a desenvolver alergias.
O leite materno protege o bebê de otites, vômitos, diarréia, alergias, pneumonias, bronquiolites e meningites. Além disso, tem grande influência na melhoria do desenvolvimento mental do bebê, é digerido de forma mais fácil.
A amamentação é muito importante na criação do laço materno.  Proporciona um vínculo emocional com o bebê. Esse vínculo será importante no desenvolvimento da criança, e na sua forma de se relacionar com outras pessoas.

Ao mamar no peito, ele desenvolve melhor  a anatomia da boca e o correto alinhamento dos dentes.
Para a mãe, as vantagens são muitas. Ao amamentar, a mulher sente-se mais segura,menos ansiosa.
Durante a amamentação, ocorre queima de calorias, ajudando a mamãe a retornar ao peso de antes da gravidez. Também a musculatura do útero encolhe mais rapidamente, retornando ao seu tamanho normal. Mesmo a perda de sangue que ocorre normalmente após o parto, melhora mais rápidamente.

Como se preparar para a amamentação?

Os cuidados com a amamentação e a preparação dos seios devem começar ainda na gestação. Nessa fase, a futura mamãe deve começar a aprender tudo que puder sobre a amamentação.
Alguns hábitos devem ser adotados e praticados a partir do 5º mês ou segundo orientação de seu obstetra, para preparar e fortalecer os bicos dos seios, e estimular as glândulas mamárias, de forma a se evitar problemas quando iniciar a amamentação.

1 O bico do seio deve ser lavado somente com água, para que mantenham sua hidratação natural. O sabonete remove essa proteção.

2 Devem se adotar banhos de sol  nos seios. Esse deverá ser um hábito diário a ser adotado pela futura mamãe. Bastam 10 a 15 minutos de sol nos seios, sempre antes das 10h e após as 16h.

3 Massagens também são importantes, simples de serem realizadas e fortemente recomendadas pelos médicos. Segurando o seio com as duas mãos, uma de cada lado, pressione a partir da base até o bico, como se estivesse “espremendo” o seio. Repita o movimento 5  vezes, de forma delicada mas intensa, e depois repita o procedimento no outro seio. Esse exercício estimula a saída do leite e pode ser repetido duas ou três vezes por dia.

JÁ TIROU SUAS DÚVIDAS SOBRE AMAMENTAÇÃO COM O SEU GINECOLOGISTA/OBSTETRA?
PROCURE UM OBSTETRA NA SUA CIDADE


Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa