Pular para o conteúdo principal

Avaliação Neuropsicológica

A Avaliação Neuropsicológica é o estudo detalhado das funções cognitivas, responsáveis pela capacidade de perceber, elaborar e expressar informações. São utilizados testes padronizados com o objetivo de traçar o perfil cognitivo do paciente e compará-lo com o esperado para a idade e escolaridade, evidenciando aspectos indicativos de disfunção.

A partir de que idade pode ser realizada a Avaliação Neuropsicológica?

A Avaliação Neuropsicológica pode ser realizada em crianças, adolescentes, adultos e idosos.

O Que é Avaliado?

Memória; Atenção; Flexibilidade Cognitiva (formular hipóteses e modificá-las); Organização e Planejamento; Percepção; Funções Motoras; Linguagem e Funções Verbais; Humor; Aprendizagem, Inteligência Global e Habilidades Acadêmicas.

Indicações para a Avaliação Neuropsicológica:

- Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH);
- Quadros demenciais;
- Diagnóstico diferencial da Depressão;
- Déficits de memória associados à idade;
-Avaliar e monitorar a capacidade cognitiva após uma desordem neurológica (aneurismas, acidente vascular encefálico, traumatismo crânio-encefálico);
- Uso de drogas e álcool;
- Epilepsia;
- Esquizofrenia;
- Paralisia Cerebral;
-Transtorno Invasivo do Desenvolvimento.

Os resultados da Avaliação Neuropsicológica permitem:

-Avaliar e monitorar lesões e disfunções cerebrais;
-Monitorar e documentar o paciente em tratamento (estimativa da evolução e prognóstico da patologia e avaliar os efeitos do tratamento medicamentoso);
-Auxiliar no diagnóstico diferencial (diferenciar um quadro demencial de um quadro depressivo, por exemplo) e no planejamento do tratamento;
-Detectar o aparecimento de declínio cognitivo no idoso.

REABILITAÇÃO COGNITIVA

Após a Avaliação Neuropsicológica, inicia-se com o paciente a reabilitação cognitiva que consiste em:

-Melhorar o desempenho mnêmico, o nível de atenção e capacidade de aprendizagem do paciente.
-Estimular determinadas funções cognitivas;
-Reorganizar as capacidades adaptativas perdidas;
-Promover melhor adaptação após doença ou lesão;
-Melhorar a qualidade de vida do paciente e de seus familiares.
-Promover avanço na autonomia pessoal.

Fonte: Ana Cristina Reis. CRP: RJ 19262

Psicóloga cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa