Pular para o conteúdo principal

Hepatite C


O que é hepatite C?
É uma inflamação do fígado, porém ao contrário dos tipos A e B, a hepatite C não apresenta sintomas na fase aguda e quando ocorrem, são muito leves, semelhantes a uma gripe.
É comum que a doença só seja descoberta em exames por outros motivos, como doação de sangue, por exemplo.

Como se trata a doença?
Raramente a doença é detectada na fase aguda, e o tratamento consiste em diminuir o risco de evolução para hepatite crônica, prevenindo cirrose e câncer.
Os resultados têm sido cada vez melhores nos últimos tempos. Atualmente, já é possível obter até 90% de sucesso na eliminação do vírus, contra uma taxa de 10 a 30% que se conseguia na década de 90. O médico especialista costuma analisar o genótipo do vírus, a carga viral e o estágio da doença, identificado na biópsia hepática, para determinar o melhor tratamento a ser adotado.

Como evitar?
O rigoroso controle de qualidade realizado nos bancos de sangue hoje em dia já diminui muito o risco de contágio através de transfusões.

Então, as medidas individuais para reduzir o risco de contágio são:

• Evitar o contato direto com o sangue de outros indivíduos,
• Utilização de preservativos nas relações sexuais,
• Não compartilhar seringas e agulhas entre usuários de drogas,
• Cumprir as medidas de proteção padronizadas profissionais de saúde que tenham contatos com portadores comprovados da doença e em todos os demais atendimentos invasivos em que não tenha sido ainda testado o paciente quanto à presença do vírus.

Atualmente não existe vacina para a prevenção da hepatite C.

Epidemiologia
Em todo mundo existem em torno de 200 milhões de portadores ou doentes crônicos, ou seja, 3% da população. No Brasil a incidência da doença em doadores de sangue é de 1,2%. Na região norte do país está a maior média de casos, seguida da região sudeste e centro-oeste.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa