Pular para o conteúdo principal

Dia Mundial de Combate à Osteoporose - 20 de Outubro

No Dia Mundial de Combate à Osteoporose o Helpsaúde visa expor esse tema explicando sobre a doença, seu diagnóstico e formas de prevenção.

Com o aumento da expectativa de vida o número de idosos vem aumentando em todas as regiões do Brasil e em decorrência disso o aumento da prevalência de osteoporose. Segundo dados do Ministério da Saúde a osteoporose já atinge cerca de 10 milhões de pessoas no país.

Mas o que é a Osteoporose?

As células que compõem o tecido ósseo estão em constante renovação, quando esse processo de remodelação óssea não ocorre de forma satisfatória os ossos tendem a ter sua massa diminuída, e a osteoporose é caracterizada justamente por essa desmineralização progressiva dos ossos que se tornam porosos e frágeis. Até os 35 anos de idade há equilíbrio entre os processos de destruição (reabsorção) e de formação óssea, após essa idade a perda óssea aumenta gradativamente como parte do processo natural de envelhecimento, e a partir dos 50 anos o risco da ocorrência de uma queda seguida de fratura é maior em função dessa fragilidade no esqueleto.

Os custos para a pessoa idosa que cai e faz uma fratura são altos, de acordo com o Ministério da Saúde o Sistema Único de Saúde gastou quase R$ 81 milhões com fraturas em idosos em 2009, e à medida que o idoso fratura um osso e necessita de hospitalização é frequentemente submetido a tratamento cirúrgico, o que também aumenta os custos para o SUS. A queda também pode causar sérios prejuízos à qualidade de vida dos idosos, desencadeados pela imobilidade e dependência de familiares. O alto índice de mortalidade pós-cirurgia é alarmante, segundo dados do Ministério da Saúde somente em 2005 foram 1304 óbitos por fraturas de fêmur no Brasil e em 2009 esse número subiu para 1478.

Fatores de risco

Entre os principais fatores de risco da doença estão a pós-menopausa, já que o processo de perda óssea intensifica-se neste período onde há uma queda do hormônio estrogênio, a idade avançada, história familiar, constituição física, etnia, baixa ingestão de cálcio, diabetes, falta de exposição à luz solar, sedentarismo, hábito de fumar, consumo excessivo de álcool e de café, uso de determinados medicamentos e doenças crônicas.

Diagnóstico

A Osteoporose é assintomática e, portanto, considerada uma doença silenciosa, muitas vezes diagnosticada somente após uma queda seguida de fratura e hospitalização. Atinge principalmente mulheres após a menopausa e idosos de ambos os sexos. Para fins de diagnóstico o exame mais difundido é a densitometria óssea, porém existem outros exames que podem diagnosticar a perda de massa óssea e neste caso um médico deverá ser consultado.

Prevenção

A osteoporose não é causada por uma deficiência de cálcio, mas sim por uma perda excessiva de cálcio, de maneira que deve haver um equilíbrio constante entre a ingestão e a perda deste nutriente durante a infância até a vida adulta, o que torna o acompanhamento nutricional fundamental como adjuvante na prevenção da osteoporose, pois uma dieta variada e equilibrada é capaz de garantir a ingestão diária recomendada deste nutriente. O leite desnatado e o iogurte light enriquecido com vitamina D são ótimas fontes de cálcio uma vez que apresentam baixo teor de gordura na composição. A ingestão adequada de outros nutrientes envolvidos no processo de absorção do cálcio, como vitamina D, fósforo, vitamina B6 e Magnésio, também é essencial para o processo de formação de massa óssea. A vitamina D, cuja síntese ocorre em resposta à exposição direta aos raios ultravioleta do sol em horários apropriados, regula os níveis de cálcio e fósforo no organismo promovendo a absorção do cálcio.

Alimentos como cogumelos, gema de ovo, salmão, sardinha, atum e fígado são boas fontes de vitamina D. A relação do cálcio com o fósforo também deve estar equilibrada já que a absorção do cálcio é influenciada pela presença de fósforo, tornando-se mais eficaz quando a quantidade de fósforo é cerca de metade da do cálcio. Requeijão, sardinha, fígado bovino, amendoim, amêndoa e castanha-do-pará são excelentes fontes de fósforo. Já a vitamina B6 que age juntamente com o magnésio para fixar o cálcio nos ossos também é muito importante para a formação e manutenção de ossos saudáveis.

A suplementação destes nutrientes é indicada somente quando as demandas encontram-se aumentadas e não é possível atingir a recomendação através da alimentação, sempre sob orientação de médico ou nutricionista.

Ingestão diária recomendada de cálcio, fósforo e vitamina D

*Fonte: Dietary Reference Intakes for Calcium and Vitamin D - Recommended Intakes for Individuals Elements. Food and Nutrition Board, Institute of Medicine, National Academies (2011).
**Fonte: Dietary Reference Intakes for Phosphorus: Recommended Intakes for Individuals Elements. Food and Nutrition Board, Institute of Medicine, National Academies (2004).

A Osteoporose é uma doença silenciosa, entretanto pode ser prevenida e uma vez diagnosticada deve ser tratada o quanto antes. É importante manter um estilo de vida saudável e ativo, estar sempre atento aos fatores de risco, buscar acompanhamento nutricional e adotar uma dieta equilibrada, evitando o consumo excessivo de álcool e refrigerantes, praticando atividade física regularmente, e realizando exames periódicos com acompanhamento médico para um diagnóstico precoce e tratamento adequado.

Fonte: Renata Ribeiro. CRN: RJ 11100598

Nutricionista cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: