Pular para o conteúdo principal

Terapia de Casal

Muitos casais em algum momento da relação conjugal buscam a terapia de casal como uma tentativa para lidar melhor com conflitos que surgem no casamento. Os conflitos podem estar relacionados à insatisfação, infelicidade, desentendimento, ausência de comunicação, pensamentos de separação, fracasso nas tentativas de reaproximação, segredo familiar, incompatibilidade, entre outras razões. Independente do motivo pela procura, a terapia tem como tarefa, auxiliar o casal a identificar os motivos que geram os desajustes e conflitos na relação conjugal. O casal por si só, nem sempre consegue descobrir e analisar a causa dos atritos e superá-los, razão esta que acaba por despertar nos cônjuges sentimentos relacionados à incompetência e impotência.

Em uma relação saudável, espera-se que o casal sinta um pelo outro, amor e atração sexual, além da comunicação, confiança, companheirismo, tolerância, capacidade para resolução de problemas e respeito às diferenças individuais. É importante que cada um possa se responsabilizar por seus pensamentos, sentimentos e comportamentos, sem esperar do outro a solução para seus conflitos , como por exemplo, esperar do outro que “cure” sua carência e preencha seus “vazios”. É comum a fantasia de completude e muitas pessoas se casam com a expectativa de que o outro irá suprir e/ou satisfazer todas as suas necessidades. Esta fantasia é responsável pelas frustrações que tanto atrapalham a relação conjugal, gerando brigas e desentendimentos contínuos. No casamento, as pessoas não mudam, na verdade elas são projetadas pelo outro e freqüentemente idealizadas. Com a convivência, o casal passa a se conhecer melhor e as expectativas são frustradas. O ideal inexiste.
A terapia de casal não é uma fórmula mágica para salvar o casamento, porém, é um espaço que facilita o diálogo e oportuniza o casal a reconstruir, ressignificar, rever a vida a dois, olhar para si , descobrir novas possibilidades de ação, repensar em suas atitudes e dificuldades, para que possam enfrentar os sentimentos que julgam difíceis de lidar. A terapia de casal não tem como objetivo evitar o divórcio e sim melhorar o relacionamento em nível de satisfação e entendimento. No entanto, nada impede que o casal chegue à conclusão de que ambos serão mais felizes separados. Neste caso, a terapia auxilia os cônjuges a enfrentarem a situação de forma menos traumática.

É bem comum que na terapia de casal, o terapeuta busca conhecer a vida dos cônjuges, suas escolhas amorosas e as perspectivas de cada um , que levaram ao casamento ( o que esperavam e o que buscavam um no outro ). É de extrema relevância o entendimento acerca das histórias passadas de cada cônjuge, em especial, a dinâmica e o ciclo de vida familiar. Entende-se por ciclo de vida familiar, os diferentes estágios previstos, separados por transições ( mudanças ) pelos quais a família passa, ao longo do tempo.

Desta forma é importante incluir no entendimento as seguintes questões:

- Contexto e estrutura familiar
- Como era o lar de onde vieram
- Como eram os papéis exercidos pelos membros da família
- Como eram as posições ocupadas por cada membro da família
- Quais crenças e regras foram levadas para o casamento
- Quais crenças e regras foram deixadas na família de origem
- Quais crenças e regras foram construídas na nova família
- Como era o relacionamento com os pais e o que tem se semelhante na relação conjugal
- O que se repete na relação conjugal que acontecia na família

Uma das transições do ciclo de vida familiar é a fase quando o jovem adulto sai de casa. Quanto mais satisfatória for esta transição do ponto de vista emocional, ou seja, do jovem adulto conseguir se diferenciar de forma saudável da família de origem, melhores serão as chances para o enfrentamento e criação de uma nova família a partir do casamento. No casamento é necessário que os cônjuges façam escolhas emocionais a partir do que será levado da família, o que será deixado para trás e o que será construído. O casamento tende a ser erroneamente compreendido como uma união de dois indivíduos, porém o que realmente ocorre é a modificação de duas famílias e o desenvolvimento de uma terceira, com direito a novas crenças, regras e novos padrões de comunicação e relacionamento.
O importante é perceber que qual seja o estágio em que o casal se encontre , a relação sempre será desafiada quanto à flexibilidade, ajustes , adaptações e construções , permitindo desta forma, que os conjuges possam percorrer o ciclo de forma mais adequada e saudável.

Fonte: Vanessa Ebeling. CRP: RS 0319327

Psicóloga cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do