Pular para o conteúdo principal

O Dia do Médico na visão da Dra. Cristiana Bardy

Convidamos a Dra. Cristiana Bardy, Psiquiatra CRM: RJ 670626 cadastrada no HelpSaúde a fazer um artigo em homenagem ao Dia Mundial do Médico:

Apenas após ter aceitado o convite da Editoria do HelpSaúde para escrever sobre o Dia do Médico, percebi a delicadeza do compromisso assumido.

Afinal, não é possível, nem seria verdadeiro, simplesmente exaltar as alegrias de ser médico ou as contribuições que damos diariamente para a qualidade de vida da população.

Neste momento, estão em discussão aspectos muito sérios da nossa prática, seja da liberdade e autonomia do exercício da profissão, confirmadas na prescrição (medida da ANVISA que proíbe a prescrição e comercialização de anfetaminas e seus derivados), o ATO MÉDICO em si (a quem pertence tal ou qual procedimento) ou na noção popular de QUANTO VALE O MÉDICO (o valor da remuneração por consultas através dos planos de saúde e os salários e condições de trabalho nos hospitais públicos).

Assisto triste, diariamente a desvalorização da minha profissão. Lenta e gradualmente, esta já vem ocorrendo, no mínimo, desde o início da década de 60 do século passado.

Aos poucos, os planos de saúde e os grandes laboratórios, por questões de mercado, afinal vendem produtos, foram aumentando sua participação nos consultórios e hospitais e se interpondo entre nós e os nossos pacientes. Influenciando as decisões públicas.

O médico, eu suponho, continuou com sua cara enfiada nos livros e ateve-se a aprimorar suas habilidades, certo de que este é o seu dever, sem identificar o distanciamento que se estabelecia.

Hoje em dia, mesmo que imprescindíveis, nossas habilidades não nos garantem uma vida tranqüila.

Os Programas de Saúde de Família são um claro exemplo bem sucedido da tentativa de reaproximação entre o atendimento médico e a população.

O HelpSaúde é outro exemplo de caminho para esta maior aproximação entre a população e os profissionais de saúde como um todo.

Entendo a profissão médica como uma vocação sim. Mas, nunca como um sacerdócio. Somos cidadãos como todos os demais e pretendemos, de fato, devemos participar e construir laços sociais e econômicos como todos os demais profissionais.

Então, o que podemos fazer para melhorar as condições de vida dos profissionais e dos pacientes?

A resposta é o DIÁLOGO.

Não há em verdade, nenhuma solução pronta neste momento para as dificuldades que se impõe. Não há um só culpado ou uma única vítima.

Há sim a necessidade de aproximação entre a população e a comunidade médica.

Então, mais do que exaltar a satisfação pessoal que tenho em contribuir para que os indivíduos que atendo tenham mais saúde e qualidade de vida, espero que o dia de hoje e esta semana possam sensibilizar a todos para a necessidade de se priorizar a saúde como um bem intransferível e que se desenvolva maior respeito e cuidado com todos os profissionais que atuam nessa área, não apenas os médicos.

VAMOS CONVERSAR MAIS.

VAMOS TER MAIOR EMPATIA UNS COM OS OUTROS. Que significa tentarmos nos colocar no lugar do outro.

SAÚDE!

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para
artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do