Pular para o conteúdo principal

O Verdadeiro Médico

O verdadeiro médico, não é apenas aquele que obteve ótimas notas durante o curso de medicina, mas sim aquele que, além disso, fez o curso médico pensando em servir aos seus semelhantes. O médico que pretende exercer regularmente a sua profissão, muitas vezes não tem o direito de terminar uma refeição, de escolher hora, nem perguntar se o paciente mora longe ou perto, quando ele lhe chama ou quando um aflito lhe bate à porta.

Aquele que não socorre um doente por estar com visitas em sua casa, ou por ter trabalhado muito durante o dia, ou por ser altas horas da noite, ficar longe ou no morro e quando o paciente não pode pagar a consulta e diz-lhe para procurar outro médico: esse é negociante de medicina, trabalha somente para recolher capital. Esse é um desventurado que manda para o outro o anjo da caridade, que lhe veio fazer uma visita e lhe trazia a única espórtula que podia saciar a sede de riqueza moral, a única que jamais se perderá nos anoiteceres e nos amanheceres da vida.

O verdadeiro médico é aquele que atende o rico e o pobre com a mesma atenção, com a mesma vontade de curar e servir. ´E aquele que muitas vezes tem que penetrar no íntimo dos problemas familiares, porque pode estar ali a causa da doença, neste caso tem que se transformar num sacerdote ou num conselheiro para ajudar a resolver os problemas particulares de seus pacientes.

Este é o verdadeiro médico que cumpre o juramento feito no dia de sua formatura, que Hipócrates escreveu há mais de dois mil anos.


Fonte: Dr. José Umbelino de Morais. CRM: MG8953

Médico Endocrinologista cadastrado no Help Saúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

  1. Eu incluiria em todos estes atributos do verdadeiro médico, aquele que vê e enxerga no ser humano uma alma encarnada e tem a mente suficientemente aberta para perceber que cada ser tem um espírito em diferentes graus de evolução. Luís Eduardo Zamprogna.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa