Pular para o conteúdo principal

Facetas Laminadas em Porcelana uma Solução Estética Definitiva

É notório o fato de que a prática odontológica vem sofrendo significativas mudanças nos últimos anos, destacando-se na área da estética dental, a evolução dos materiais e as técnicas que tornaram possíveis as colagens, fazendo com que a odontologia restauradora preserve mais os tecidos sadios tornando os procedimentos restauradores menos invasivos. Já não é mais mistério a adesão contra o esmalte, dentina, cerâmica e resinas.

O uso das facetas laminadas para solucionar problemas estéticos, é resultado dessa evolução. Essa técnica visa recobrir apenas a parede vestibular ( parte de fora) dos dentes esteticamente comprometidos, com uma lâmina de porcelana que fica unida ao dente através de fixação adesiva, permitindo a modificação de forma e cor dando-lhes a harmonia e a estética desejada, porem sem comprometer o dente estruturalmente, sendo portanto um procedimento extremamente conservador, quando comparado as próteses convencionais, como por exemplo as coroas de jaqueta. As facetas estão indicadas para todos aqueles dentes anteriores que por comprometimento estético ou funcional necessitem ter a sua forma ,tamanho e ou cor restaurados. Apesar das facetas laminadas se constituírem em um recurso eficaz e relativamente simples, quando comparada a procedimentos protéticos convencionais, a sua utilização ainda é um recurso distante da maioria dos consultórios, seja por falta de informação, seja por insegurança quanto a sua efetividade, lembrando que as técnicas adesivas necessitam de conhecimentos técnicos específicos.

As facetas laminadas em porcelana, estão indicadas na forma e correção de dentes anômalos ou ectópicos,na harmonização de espaços interdentais(dentes muito separados , com diastema), não requerendo nestes casos o uso de brocas para preparo do/s dente/s.

Estão indicadas também nos casos de perda da estrutura dental, por cárie, por restaurações que não conseguiram atender aos padrões de estética, dentes que não responderam satisfatoriamente ao tratamento clareador, e ainda nos dentes comprometidos por fratura. São indicadas por fim na correção estética dos pacientes com hábitos para funcionais e naqueles portadores de próteses metaloplásticas bem adaptadas cujas facetas em resina estejam comprometidas esteticamente por desgaste ou alteração de cor, evitando-se a substituição de toda a prótese e conseqüentemente, diminuindo-se consideravelmente o tempo de tratamento e os custos necessários a substituição de um trabalho protético que ainda atende satisfatoriamente a função e a saúde, embora com a estética comprometida.

As facetas de porcelana estão contra indicadas nos casos de perda estrutural que comprometa a resistência do dente, nos casos de dentes com comprometimento oclusal, nos dentes vestibularizados ( aqueles que necessitam de correção ortodôntica prévia) e nos dentes que não possuam disponibilidade de esmalte.

Fonte: Luiz Alberto Ferraz de Caldas. CFO: RJ CD 7724

Cirurgião Dentista cadastrado no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa