Pular para o conteúdo principal

Botulismo

O que é botulismo?

O botulismo é um tipo de intoxicação alimentar, não muito comum, mas que pode até ser fatal. Seu causador é uma toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, que existe no solo, em alimentos contaminados ou mal conservados.

A doença tem baixa ocorrência, mas é altamente fatal e ocorre em todo o mundo. Normalmente, alimentos como conservas caseiras são a origem mais comum desta doença. Não é comum encontrá-la em conservas industrializadas. Pode ocorrer em conservas de vegetais ou carnes. O processo industrial de conservação costuma impedir o surgimento de colônias destas bactérias nos enlatados.

Quais são os sintomas do botulismo?

Os sintomas da intoxicação causada pela toxina botulínica costumam aparecer entre doze e trinta horas após o consumo do alimento contaminado.

O indivíduo intoxicado sente:
• intolerância à luz,
• distúrbios como visão dupla e pupila dilatada,
• dificuldade para articular palavras,
• tem vômitos e
• a boca e a garganta seca.

Pode apresentar ainda:
• dificuldade para engolir (disfagia),
• paralisia respiratória, que pode ser fatal,
• constipação intestinal( intestino preso),
• dificuldade para urinar e
• a função motora fica debilitada.

A quantidade e intensidade dos sintomas costumam depender do quanto de toxinas foram ingeridas pelo indivíduo.

Como se diagnostica intoxicação botulínica?
No exame clínico, o médico irá avaliar os sintomas, como a paralisia muscular progressiva, que se inicia pela face, a dificuldade para engolir e as alterações de visão dupla.

Os sintomas evoluem pela musculatura, podendo ocorrer dificuldade motora e na respiração. O diagnóstico deve ser criterioso, já que os sintomas podem ser confundidos com outras doenças.
Através de exames laboratoriais, o médico poderá confirmar se existe a presença da toxina no paciente através de análise do sangue ou fezes, ou analisando o alimento que foi consumido a fim de identificar se foi contaminado.

Quando mais cedo for feito o diagnóstico, maiores as chances de deter a evolução da doença.

Como é feito o tratamento da intoxicação?

O tratamento de emergência requer a aplicação do soro antibotulínico para evitar que a toxina existente na corrente sanguínea chegue até o sistema nervoso.

O ideal é que seja identificado o tipo da toxina para que seja administrado o antídoto correto.

Quando o paciente apresenta dificuldade respiratória, devido à fraquesa muscular, pode ser necessário introduzir a ventilação artificial até que a paralisia muscular seja curada.

A recuperação do paciente tende a ser um processo lento e depende geralmente de como vai reagir o sistema imunológico em cada doente.

Como se evitar o botulismo?

É necessário que se tenha extrema atenção aos alimentos enlatados, em potes de vidro ou embalados à vácuo, pois a bactéria tem preferência por ambientes sem oxigênio.

Se notar qualquer tipo de anomalia ou irregularidade na embalagem como, por exemplo, lata enferrujada, muito amassada ou estufada, e água com cor escura dentro do pote de conserva, não consuma o alimento. VERIFIQUE SEMPRE A DATA DE VALIDADE E O ESTADO DOS ALIMENTOS.

A preparação de conservas feitas em casa deve ter um rigoroso cuidado com a higiene, para evitar a contaminação.

Uma boa dica é sempre ferver os alimentos enlatados, em especial o palmito, antes de consumir, pois isto irá eliminar as toxinas liberadas pela bactéria. O mel também pode ser uma fonte de bactérias do botulismo, por isso é importante ter muito cuidado com a origem do mel.

Curiosidade sobre a toxina botulínica

A toxina botulínica, em pequenas doses, é usada como tratamento cosmético de duração temporária. Devido a sua capacidade de paralisia, é utilizado para esconder rugas e outras imperfeições faciais, e neste caso é chamado de botox. As aplicações de botox somente podem ser feitas por um médico habilitado, pois os riscos não devem ser ignorados.

Conhece algum cirurgião plástico em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa