Pular para o conteúdo principal

Doenças de Praia

As praias não são tão limpas como nós gostaríamos que fossem. A água do oceano contaminada com esgotos, escoamento da água de tempestade e óleo transporta bactérias, parasitas e vírus, que podem causar uma variedade de doenças, de infecções cutâneas a infecções de ouvido e erupções na pele a problemas respiratórios.

Com o verão decidimos explorar a gama de possíveis doenças que podem ser contraídas nas praias devido à contaminação ambiental.

Doenças de água recreativas, como de piscinas, oceano, lago ou baia podem ser adquiridas por nadar em águas poluídas, ingestão de água contaminada e inalação de névoa infectada.

Algumas infecções surpreendentes das praias:

Bactérias Entéricas:

Bactérias entéricas têm infiltrado a água. Transportados pelo escoamento de água e esgoto de tempestade, as praias são contaminadas com poluição fecal, conhecida como enterococos. As bactérias contaminam o trato intestinal de seres humanos e animais. Enterococos também podem causar meningite e infecções do trato urinário.

Doenças relacionadas de derramamento de óleo:

Contato humano com óleo pode causar uma série de questões de saúde. Dermatite e outras infecções de pele podem ser contraídas seguinte contacto dérmico com óleo ou dispersantes. Ventos podem estar contaminados com produtos químicos ou compostos, que muitas vezes são inalados. Outros sintomas incluem dor no peito, tontura, vômitos e dores de cabeça.

Otite Externa:

Otite externa é uma infecção do canal auditivo externo que muitas vezes é contraído durante o Verão em ambientes úmidos. As feridas infectadas são incapazes de secar e curar devido a um acúmulo de umidade perpétua. Isso perturba a capacidade da pele para servir como uma barreira. Doença comum em crianças que pode ser contraída na água do mar, piscinas e lagos. A infecção pode se desenvolver ainda mais se a pele forma micro abrasões, que hospeda bactérias do Pseudomonas aeruginosa, uma bactéria encontrada naturalmente no ambiente.

Não se esqueça, enxugue bem os ouvidos após tomar banho com a toalha enrolada na ponta do dedo e evite o uso de cotonetes.
Gastroenterite:
Doenças gastrointestinais é uma infecção comum originada na praia. Doenças gastrointestinais causam diarréia, que poderá ser infectada por criptosporidíase, giárdia, shigella, escherichia coli e norovirus.

Conjuntivite:

A conjuntivite bacteriana é a inflamação daquela pele transparente que recobre os olhos, chamada de conjuntiva. Uma infecção de olho comum que pode ser contratada facilmente em águas poluídas. A água do oceano, junto com a água da piscina, irrita os olhos, fazendo com que as pessoas a tocar a área afetada, espalhem a infecção. Muitas vezes as pessoas usam lentes de contato na praia, que abriga as bactérias.

Insolação

A insolação é provocada pela exposição excessiva ao sol. Ela pode provocar intensa falta de ar, dor de cabeça, náuseas e tontura, temperatura do corpo elevada, pele quente, avermelhada e seca, extremidades arroxeadas e até mesmo a inconsciência. Ocorre também desidratação e o individuo apresenta queimaduras que no início se manifestam por pele vermelha e ardida e quando em estágios mais avançados e graves, leva a formação de bolhas na pele.

Ao primeiro sinal de insolação, é aconselhado que a pessoa procure a sombra além de se hidratar de forma adequada. Em casos graves de queimadura e de aumento da temperatura corporal, é necessário procurar o atendimento médico.

Câncer de pele

Doença provocada pela exposição excessiva ao sol. Apresenta manchas que coçam, ardem, escamam ou sangram; sinais ou pintas que mudam de tamanho, formato e cor; feridas que não cicatrizam em até quatro semanas e mudança na textura ou cor da pele.

Bicho geográfico:

Parasita que vive no intestino de cães e gatos, que é depositado no solo pelas fezes. A larva penetra e se abriga embaixo da pele, formando um caminho similar a um mapa causando coceira.

As pessoas devem evitar tomar sol entre 10h e 16h (11h e 17h, no horário de verão), e não devem fazer exercícios físicos sob o sol nesse horário. É aconselhado também, tomar cerca de dois a três litros de água por dia, e usar protetor solar pelo menos 15 minutos antes da exposição do sol, repetindo a aplicação a cada duas horas. Não se esqueça de usar calçado ou chinelo na areia, proteção adequada, como filtro solar e chapéu e evite levar animais à praia.

Boas Férias!

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

  1. Olá, Eu faço hidroterapia e hidroginastica em uma picina que entra todas as pessoas e não é trocada as águas durante tempos.Mas eles dizem ter clóro,mas vejo varios bpedaços tais como:asas de baratas,mosquitos lodos,é uma clinica de fisioterapia.Corro algun perigo de contaminação?um Abraço!daluz.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: