Pular para o conteúdo principal

O que são varizes?

Como funciona a Circulação?

Antes de entender o que são varizes é importante saber que existem dois tipos de vasos: as veias (sistema venoso) e as artérias (sistema arterial). As artérias saem do coração e levam sangue rico em oxigênio e nutrientes para todo o corpo. As veias são responsáveis por retornar o sangue ao coração e assim completar o clico da circulação. As artérias precisam ser mais robustas do que as veias para aguentar a pressão que o coração faz a cada batimento. Já as veias (principalmente das pernas) têm um outro desafio: vencer a gravidade sem a ajuda do coração.

Como as veias conseguem atingir tal objetivo? Felizmente o corpo humano possui dois mecanismos para auxiliá-las nesta tarefa, as válvulas e a panturrilha (grupo muscular conhecido como batata da perna). As válvulas são pequenas estruturas que ficam no interior da veia que tem como principal função tornar o fluxo unidirecional para o coração. Quando o fluxo está em direção ao coração elas se abrem, mas quando o fluxo tenta voltar em direção aos pés elas se fecham. Somando-se a isto, temos a panturrilha, um grupo de músculos que envolvem as veias principais na região da perna, e é considerado como o “segundo coração“, isto porque a cada ação destes músculos ocorre a compressão das veias, como se fosse um bombeamento. As veias, então, comprimidas fazem o fluxo de sangue se movimentar, e juntamente com a ação das válvulas, somente em direção ao coração.

Formação das Varizes

E quando estas válvulas não trabalham corretamente? Surgem as varizes, que são veias superficiais dilatadas e tortuosas que ocorrem porque as válvulas não são capazes de selar este fluxo unidirecional. Como resultado, o sangue sofre refluxo, e passa a dilatar as veias. Este processo vai aos poucos se agravando e estendendo-se para outras veias. Com o tempo, grande quantidade de sangue fica represado dentro das veias dilatadas e tortuosas.

Sintomas decorrentes das Varizes

Vários sintomas podem ocorrer com este acúmulo de sangue. Sensação de perna pesada, formigamento, dor, queimação, latejamento, câimbras, edema de tornozelo, prurido, pernas inquietas, dor ao longo da variz e cansaço estão entre os mais comuns. Alguns evoluirão para sintomas mais avançados como tromboflebite, sangramento de varizes superficiais, alteração de pele, incluindo eczema, pigmentação, atrofia branca e até úlcera.

Pacientes com varizes, também podem se apresentar sem sintomas e sofrer apenas uma preocupação estética, com um impacto psicológico adjacente. Preocupações psicológicas relacionadas à aparência estética das varizes, podem, entretanto, reduzir a qualidade de vida em muitos casos.

Avaliação

Avaliação por um especialista é extremamente importante para determinar o grau e o impacto que o problema representa. A precisão dos dados tem progredido grandemente nas últimas duas décadas com o ultrassom doppler colorido, que se tornou amplamente disponível.

Tratamento

O tratamento tem como principal função melhorar a circulação, diminuindo o represamento de sangue causado pela insuficiência venosa, podendo ser clínico somente ou associado a um método invasivo. O tratamento clínico controla as varizes pelo uso de medicações flebotônicas e compressão elástica somadas a modificação do estilo de vida que incluem perda de peso, exercícios e elevação das pernas durante o dia, quando possível.

Os procedimentos invasivos visam a eliminação das varizes e reduzem a taxa de complicações da insuficiência venosa. O método força o fluxo de sangue a se dirigir para as veias saudáveis que foram deixadas. Vários métodos podem ser utilizados, incluindo, escleroterapia, cirurgia e mais recentemente, na busca de diminuir as complicações e melhorar a recuperação, técnicas minimamente invasivas como a terapia a Laser(EVLT), radiofrequência e escleroterapia por espuma.

Cada método tem sua aplicabilidade na qual é somente determinada pela condição individual do paciente, critérios de tratamento e outros fatores. A cirurgia convencional, no Brasil, ainda é considerada como padrão ouro, mas pode estar associada com à lesão neurológica (7 a 40%), cicatrizes, dor pós operatória e retornos mais prolongados. Embora a cirurgia seja altamente efetiva em curto prazo, a recorrência após 5 anos é aproximadamente de 30 a 50%. Para melhorar a efetividade, a qualidade de vida e reduzir o tempo de pós operatório, complicações e custos, as técnicas minimamente invasivas (micro espuma guiada por ultrassom, radiofrequência e laser endovenoso) estão agora amplamente usadas no tratamento das varizes de membros inferiores.

Um estudo realizado pela Universidade de Roterdã, na Holanda, com alto impacto científico, analisou 64 trabalhos de maior relevância mundial sobre cirurgia convencional e novas terapias para, comparar a efetividade destas diferentes opções de tratamento e melhor direcionar os médicos e pacientes na seleção da intervenção mais apropriada para as varizes de membros inferiores. Como resultado, esta meta análise sugeriu uma taxa de sucesso melhor para tratamentos endovenosos ( Laser e radiofrequência) do que a cirurgia e microespuma, e destas duas o Laser significativamente foi considerado mais efetivo que a radiofrequência. Este estudo foi publicado em 2010, mas para a medicina, há ainda a necessidade de realização de novos estudos para se chegar a uma conclusão definitiva.

Fonte: Ronaldo Daudt. CRM: SP 95619

Angiologista cadastrado no HelpSaúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

  1. Olá, Muito Boa esta matéria.
    Gilvan G. Bezerra Fitoterapeuta conahom 1111
    Recomendo o site wwww.varizestemcura.com
    tratamento natural para varizes sem cortes e sem cirurgias. Elimina os vasos e varizes.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Muito Boa esta matéria.
    Gilvan G. Bezerra Fitoterapeuta conahom 1111
    Recomendo o site wwww.varizestemcura.com
    tratamento natural para varizes sem cortes e sem cirurgias. Elimina os vasos e varizes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: