Pular para o conteúdo principal

Vasectomia

O que é?

Também chamada de deferentectomia, é um método contraceptivo, ou seja, para evitar filhos, e é feito por procedimento cirúrgico onde é realizada a ligadura dos canais deferentes no homem. Com isso, os espermatozóides não chegam ao pênis, ou seja: o homem continua ejaculando normalmente, porém não irá fecundar. A cirurgia é pequena, feita com anestesia local, e não necessita internação.

Como é o procedimento?

A cirurgia é simples, leva de 15 a 20 minutos, e pode ser feita no consultório médico. São aplicadas anestesias locais em dois lugares na bolsa escrotal, em seguida através de um pequeno corte em cada lado, os dutos deferentes são expostos, e cortados e amarrados, de forma que não tenham mais ligação. Em seguida, a incisão é fechada com pontos. Pode haver dor por 3 ou 4 dias após o procedimento, mas normalmente não impede o exercício das atividades normais, inclusive podendo voltar a ter atividades sexuais após uma semana, caso se sinta à vontade para isso. Nos primeiros meses ainda é recomendado o uso de algum método contraceptivo, pois ainda podem ter espermatozóides. O ideal é realizar exames de contagem (espermograma) após a cirurgia, para ter certeza de que a esterilização foi bem sucedida.

Quem pode fazer?


Homens com mais de 35 anos de idade, com pelo menos dois filhos e em união estável. Esses critérios podem variar, mas são os mais adotados.

Recanalização espontânea
Existem casos documentados na literatura médica onde ocorreu a recanalização do duto deferente após a vasectomia, porém isso é extremamente raro.

Reversão

A reversão é possível, porém bem mais complicada que a vasectomia. Quando feita em até 5 anos após a cirurgia, a chance de ser bem sucedida é muita grande, porém, nem a chance de infertilidade é muito grande, mesmo com a reversão, portanto, a vasectomia deve ser muito bem planejada e encarada como um procedimento irreversível.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa