Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional do Sistema Braille

ORIGEM DA DATA

A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.226, em 21 de julho de 2010, que institui o Dia Nacional do Sistema Braille, quando se recomenda às entidades públicas e privadas a realização de eventos destinados ao debate sobre o sistema Braile.

O propósito da Lei é fortalecer o debate social sobre dos direitos da pessoa com deficiência visual e a sua plena integração na sociedade, bem como difundir informações sobre a acessibilidade material, à informação e à comunicação, pela aplicação de novas tecnologias.

A MEMÓRIA DE LOUIS BRAILLE

Nascido em 4 de Janeiro de 1809, numa pequena aldeia Francesa chamada Coupvray, Louis Braille tornou-se cego aos três anos de idade, em consequência de um acidente que ocorreu quando brincava na oficina de seu pai.

Aos 10 anos de idade ingressou na Escola de Cegos Valentin Hauy e se destacou pela sua inteligência. Dedicando-se a aprendizagem de órgão, tornando-se organista de profissão.
Assumiu a direção da Escola de Cegos que o acolheu aonde veio a lecionar, tendo também iniciado muitos jovens cegos na música.

Faleceu em 1852, vítima de tuberculose, tendo dedicado toda a sua vida à defesa dos direitos dos cegos.

O SURGIMENTO DO MÉTODO BRAILLE


Em 1829, Louis Braille sentiu a necessidade de ter acesso à cultura escrita. Antes, em 1824, o Capitão Charles Barbier de la Serre havia criado um método denominado "Escrita Noturna", para que os militares pudessem ler ordens de batalha no escuro.

Braille teve acesso a esta forma de escrita no Instituto Real para Cegos aos 15 anos de idade e usou com base o "método Barbier" para criar um alfabeto para cegos, um sistema que traduz o alfabeto convencional para um formato que permite aos deficientes visuais ler e escrever através de caracteres em relevo, que possibilita a identificação dos sinais pelo tato, adotado pelo Instituto Real para Cegos em 1843.

O método desenvolvido por ele foi adotado oficialmente pela Europa e pela América no ano de sua morte, em 1852 e atualmente representa uma importante ferramenta na consolidação e garantia de acesso dos deficientes visuais ao direito fundamental à informação.

O MÉTODO BRAILLE NO BRASIL

Em 1854, o Sistema Braille chegou ao Brasil pelas mãos de Álvares de Azevedo (escritor brasileiro e poeta) com a criação em 12 de setembro do Imperial Instituto dos Meninos Cegos, pelo Imperador Dom Pedro II - hoje Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro.

COMO FUNCIONA O MÉTODO BRAILLE

É constituído por 63 sinais, organiza-se em uma estrutura de duas colunas com três linhas, resultando seis pontos, que recebem a numeração 1-2-3-4-5-6.

É lido passando-se a ponta dos dedos sobre os sinais em relevo. Normalmente usa-se a mão direita, com um ou mais dedos, conforme a habilidade do leitor; enquanto a mão esquerda procura o início da outra linha.

Braille pode ser produzido usando uma lousa e caneta na qual cada ponto é criado a partir do verso da página, escrita em imagem de espelho, a mão, ou pode ser produzido em uma máquina de escrever Braille ou produzidos por uma impressora Braille ligados a um computador.

A diferente disposição desses seis pontos permite a formação de 63 combinações ou símbolos Braille. As dez primeiras letras do alfabeto são formadas pelas diversas combinações possíveis dos quatro pontos superiores (1-2-4-5); as dez letras seguintes são as combinações das dez primeiras letras, acrescidas do ponto 3, e formam a 2ª linha de sinais. A terceira linha é formada pelo acréscimo dos pontos 3 e 6 às combinações da 1ª linha.

Os símbolos da 1ª linha são as dez primeiras letras do alfabeto romano (a-j). Esses mesmos sinais, na mesma ordem, assumem características de valores numéricos 1-0, quando precedidas do sinal do número, formado pelos pontos 3-4-5-6 .

Vinte e seis sinais são utilizados para o alfabeto, dez para os sinais de pontuação de uso internacional, correspondendo aos 10 sinais de 1ª linha, localizados na parte inferior da cela Braille: pontos 2-3-5-6. Os vinte e seis sinais restantes são destinados às necessidades especiais de cada língua (letras acentuadas, por exemplo) e para abreviaturas.

Doze anos após a invenção desse sistema, Louis Braille acrescentou a letra "W" ao 10° sinal da 4ª linha para atender às necessidades da língua inglesa.

ALFABETO BRAILLE






















































A Lei nº 12.226 também reza que facilitem a inserção da pessoa cega no mercado de trabalho, difundam orientações sobre a prevenção da cegueira, difundam informações sobre a acessibilidade material, à informação e à comunicação, pela aplicação de novas tecnologias; incentivem a produção de textos em Braille; e promovam a capacitação de profissionais para atuarem na educação, habilitação e reabilitação da pessoa cega, bem como na editoração de textos em Braille.




Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa