Pular para o conteúdo principal

Psicoterapia e Medicação

Até a primeira metade deste século não havia tratamento efetivo para doenças mentais graves. A psicanálise, agora já com mais de cem anos de existência, iniciou seu percurso tratando distúrbios psíquicos em pacientes inseridos na sociedade.  Pacientes que apresentavam quadro psicótico no início da idade adulta iam terminar seus dias em hospitais psiquiátricos.

Convém relembrar que os primeiros manicômios teriam sido construídos em países árabes (Iraque, Síria e Egito), entre o oitavo e o décimo-terceiro séculos. Posteriormente o modelo foi adotado na Europa. Esse tipo de assistência foi a maneira encontrada pela sociedade, quando não dispunha de recursos terapêuticos, a fim de abrigar e isolar doentes mentais graves. Surpreendentemente esta conduta de atendimento estava sendo adotada até há pouco tempo atrás.

O longo período de internação representava uma ruptura importante entre o doente e a família/comunidade, causando desorganização da família e problemas socioeconômicos.

Equipes multidisciplinares, constituídas de psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, assistentes sociais e terapeutas ocupacionais, dentre outros, passaram a desempenhar importante papel no tratamento de pessoas, com todo tipo de mal-estar psíquico, em seu próprio ambiente, integrado á família, ao seu trabalho e á sociedade, demonstrando que qualquer pessoa está sujeita á períodos psiquicamente mais conturbados e de diferentes níveis, combatendo assim, o preconceito na sociedade, evitando a desintegração familiar, tratando o paciente de modo mais eficiente, racional e humano.

Assim os medicamentos e as técnicas psicoterápicas evoluíram de formas diferentes. Os psicofármacos (medicação utilizada para o alívio de mal-estar psíquico) produzem efeitos mais rápidos no paciente, se comparados á psicoterapia, porém não curam o indivíduo, mas sim aliviam seu sofrimento. Como exemplo, cito que a aspirina pode baixar a febre sem curar a infecção que a origina, assim, a maioria dos medicamentos psicoativos atuam controlando os sintomas.

A psicoterapia por sua vez, possui efeito mais profundo, porém em longo prazo, tratando não somente sua sintomatologia, prevenindo o reaparecimento, produzindo a compreensão e a reflexão sobre a situação. 


Contudo é um acompanhamento sem prazo determinado para encerrar-se. Caso o paciente necessite medicação no auxílio do alívio de seus sintomas, um trabalho conjunto entre psicólogo e psiquiatra deve ser empreendido, pois tais áreas complementam-se e não divergem, como algumas pessoas ainda supõem.

A orientação sobre a melhor direção a ser tomada cabe ao profissional, pois cada sujeito possui características próprias, sintomas particulares e desejos singulares, não permitindo que o preconceito impeça a busca de uma qualidade de vida superior para si bem como com o grupo que o cerca.



Fonte: Dra. Roberta Bolla , CRP: RS07/08722, é Psicóloga cadastrada no HelpSaúde. Precisando de um psicólogo busque um perto de você em nosso site.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do