Pular para o conteúdo principal

O que é psicoterapia?

A psicoterapia é um recurso que auxilia o paciente a compreender, enfrentar e lidar com seus conflitos, sofrimento e  dificuldades. É também um espaço favorável ao crescimento e amadurecimento, que possibilita ao paciente a introspecção através de reflexões e diálogos construtivos, que auxiliam na compreensão e transformação de padrões de funcionamento e relacionamentos interpessoais. Em alguns casos, a psicoterapia cumpre também uma função de educação, oferecendo um espaço de aprendizado e auxiliando na orientação e condução da vida. É um processo conduzido por um psicólogo que permite ao paciente um melhor conhecimento de si próprio, mudanças ou adaptações as condições de vida que não podem ser modificadas. A procura pela psicterapia geralmente ocorre em virtude de crises situacionais, eventos estressores, imaturidade psicológica ou ainda quando a pessoa se sente verdadeiramente inapta para lidar e enfrentar suas dificuldades.

Quem a psicoterapia pode auxiliar?

A psicoterapia pode auxiliar pessoas que buscam o autoconhecimento, equilibrio, auxílio nas tomadas de decisões, resgate da autoestima, bem estar consigo e nas suas relações, superação de traumas, acidentes e doenças, desenvolvimento de estratégias para lidar com eventos estressores e conflitos, reconhecer, amenizar e controlar sintomas acerca de seu diagnóstico.

No que consiste a psicoterapia e como funciona?

Consiste num processo de intervenção que utiliza técnicas especializadas de apoio, escuta ativa e reformulação empregues no sentido de oferecer ajuda eficaz e continuada às pessoas que buscam auxilio. Favorece ainda a reflexão de questões trazidas pelo paciente bem como a introspecção, auxiliando o mesmo  a olhar  para os seus comportamentos, sentimentos e pensamentos.

Trabalhando em conjunto, o paciente e o psicólogo identificam objetivos. É necessário que o paciente sinta-se motivado à mudança. À medida que a terapia ocorre, é desenvolvida uma relação de confiança, adquirida através do processo de aceitação. O psicólogo aceita o paciente “sem julgamentos”. Através desta relação de confiança e aceitação, o paciente tem a oportunidade para reformular suas experiências emocionais significativas e trabalhar os problemas e/ou conflitos na sua vida de forma eficaz, sigilosa e segura. A psicoterapia cria condições para que o paciente possa falar e refletir sobre suas questões, bem como corrigir as distorções e percepções cognitivas a respeito de si, do outro e do mundo. Este processo permite que as mudanças ocorram de modo efetivo, positivo e duradouro.

Quando procurar ajuda?

Geralmente a pessoa busca ajuda, quando não está satisfeita com o andamento de sua vida, não está feliz ou está vivendo alguma situação que não consegue superar sozinho e entende ser necessário o auxilio e/ou apoio psicológico.

Primeira consulta

A primeira consulta corresponde ao contato inicial entre terapeuta e paciente que iniciam o processo de conhecimento. Neste primeiro contato, o terapeuta avalia a queixa, motivo da consulta e indicação terapêutica. São realizadas algumas combinações relacionadas ao sigilo, dia, horário, pagamento, faltas e atrasos.

Primeiras sessões ( 2ª a 4ª )

São sessões destinadas a anamnese, aonde serão coletadas informações relacionadas a queixa, sintomas, história de vida atual e pregressa do paciente. A partir das informações e dados obtidos, um plano de tratamento é traçado junto ao paciente, aonde são estabelecidos focos e metas terapêuticas.

Crianças e adolescentes

Quando o trabalho é realizado com crianças ou adolescentes, é fundamental a participação dos pais ou responsávei. A colaboração dos mesmos é condição essencial para que a criança ou o adolescente possam permanecer em processo terapêutico.

Frequência e duração dos atendimentos

- Geralmente os atendimentos tem a frequência semanal (1 vez por semana). Em alguns casos, havendo necessidade e comum acordo entre terapeuta e paciente, os atendimentos poderão ter a frequência de 2 vezes por semana ou mais, dependendo da indicação terapêutica e disponibilidade do paciente.
- Em média, o tempo de duração das sessões, corresponde a 50 minutos.

Tempo da psicoterapia

O tempo da psicoterapia varia de acordo com cada paciente, focos estabelecidos, plano de tratamento e metas atingidas. O propósito da psicoterapia é auxiliar  o paciente a modificar problemas de natureza emocional, cognitiva e comportamental de acordo com sua queixa e motivo que o levou a buscar ajuda psicológica. Todo processo psicoterápico requer um plano de tratamento que contempla focos e metas.

Quando os focos são trabalhados e as metas atingidas, o processo é finalizado. O plano de tratamento varia de acordo com a queixa, perfil do paciente e suas demandas. O fim da psicoterapia não significa rompimento da relação, mas um estágio final em que a relação de ajuda não mais se apresenta como algo essencial no momento, aonde o paciente já adquiriu habilidades para seu autogerenciamento. Esta aquisição de habilidades não significa que o paciente não possa retornar ao processo psicoterápico, pois se entende que os processos mentais são dinâmicos e eternos expondo o ser humano constantemente à perdas, mudanças, sofrimento e conflitos.


Fonte: Dra. Vanessa Ebeling, CRP: RS0319327, é Psicoterapeuta cadastrada no HelpSaúde. Precisando de um psicoterapeuta busque um perto de você em nosso site.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

DISCLAIMER: Todo e qualquer conteúdo apresentado nas páginas do Blog do HelpSaúde tem caráter estritamente informativo e educacional, e de nenhuma maneira substitui as informações ou apreciações de especialistas das respectivas áreas de interesse aqui apresentadas. O conteúdo de posts escritos por prestadores de saúde cadastrados no HelpSaúde são de responsabilidade do autor, logo a HelpSaude Brazil SA, proprietária do Blog (blog.helpsaude.com) e do Site (www.helpsaude.com) se exime de qualquer encargo ou obrigação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: