Pular para o conteúdo principal

Pressão alta no idoso

O paciente idoso é considerado de risco muito maior de problemas cardiovasculares, isto somente pela idade avançada.

Quando o idoso é acometido de hipertensão arterial, o tratamento deve ser imediato  pelo risco de o mesmo ser  vítima de acidente vascular cerebral ou de um infarto agudo do miocárdio. Na população normal, o índice de hipertensão arterial é de aproximadamente de 35%, após os 65 anos de idade o índice sobe para 50%. No idoso a pressão alta ocorre mais na pressão sistólica, pela falta de elasticidade daartérias.Esta apresenta um risco maior de problemas cardiovasculares.

Nós profissionais do ramo da saúde devemos ser muito cautelosos para tratar a pressão alta no paciente idoso, pois a Pressão sistólica abaixo de 13 cm/Hg   pode ocasionar queda e fraturas.

Como eu trato a pressão alta no idoso

Temos que conversar muito com o paciente, para saber detalhadamente a sua história clínica, isto para um correto diagnóstico de sua hipertensão arterial. É muito importante conhecer a história familiar, quando foi o inicio da hipertensão e o  comportamento dessa pressão arterial ao longo dos anos.Se o inicio foi recente e de difícil controle sugere que o paciente deve ter um problema renovascular, isto é muito importante para sabermos qual o medicamento deve ser usado para o paciente. Algum problema de aterosclerose com obstrução de vasos pode dificultar numa medida correta da pressão arterial.

Tratamento não medicamentoso: recomendamos a diminuição da ingestão de sal, prática de atividade física diária, se o paciente estiver com o peso acima do recomendável, deve ingerir alimentos mais naturais como verduras, legumes e frutas, no  máximo 25 cal/Kg  por dia. 

Tratamento medicamentoso: Geralmente o idoso é mais sensível aos anti-hipertensivos, por isso iniciamos o tratamento com doses baixas e vamos aumentando de acordo com a necessidade. Iniciamos o tratamento com diuréticos e betabloqueadores, este se o paciente não foi portador de algum problema pulmonar o que nos chamamos de DPOC, (doença pulmonar obstrutiva crônica), se o paciente for portador de algum problema pulmonar tratamos com diuréticos e antagonistas dos canais de cálcio de ação prolongada, ou inibidores da enzima de conversão ou bloqueadores dos receptores AT1 da angiotensina II. Estes medicamentos diminuem enormemente o risco de AVC e infarto do miocárdio.

É importante ressaltar que a hipertensão arterial não costuma causar sintomas, por isso, é conhecida como a "matadora silenciosa", sendo as consultas dos idosos ao médico deve ser mais freqüente, pois a prevenção é o melhor caminho.

Veja também o artigo sobre O Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão.

Fonte: Dr. José Umbelino de Morais, CRM: MG-8953 , é médico cadastrado no HelpSaúde. Se precisar de um médico procure em nosso site.

Comentários

  1. A pressão alta pode ser controlada através da quiropraxia, caso a própria artéria não esteja comprometida.
    Cuidado com os remédios e seus efeitos colaterais!!
    A quiropraxia ajuda na forma de que o sangue flua mais naturalmente e assim diminui a pressão arterial!!

    Atenciosamente;
    Dr. Fabio Corsini Motta - ABQ:0486
    Instituto Paulista de Quiropraxia - IPQ
    Tel.: 11-9466-2260
    http://www.ipquiropraxia.com.br/quiropraxia.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa