Pular para o conteúdo principal

Obesidade infantil

Chamamos de obesidade infantil, quando a criança de 0 a 12 anos está acima do peso normal.  A Organização Mundial da Saúde relata que nos últimos anos a obesidade infantil vem aumentando muito a sua prevalência, em diversos países, inclusive no Brasil, onde estudo recente comprovou que essa doença afeta aproximadamente 30 % das crianças e adolescentes. Outro estudo importante demonstrou que as crianças obesas têm uma probabilidade muito maior de se tornarem um adulto obeso.

As causas da obesidade infantil são: fatores genéticos, fatores hormonais, desmame precoce, erros alimentares, falta de exercícios físicos, pois as crianças de hoje ficam muito no computador, na televisão e no vídeo game e não praticam atividades físicas, com isso temos observado através de estudos realizados que as causas ambientais são muito mais importantes do que as causas genéticas.

O perigo da obesidade infantil

Juntamente com a obesidade infantil, encontramos as doenças relacionadas à mesma, como o aumento do colesterol, triglicérides e açúcar no sangue, gordura no fígado (esteatose hepática) uma das causas de cirrose hepática, complicações ortopédicas e respiratórias. A hipertensão arterial, juntamente com o diabetes, também é muito mais frequente no paciente obeso. Entretanto, na maioria das vezes, essas alterações são mais evidentes na vida adulta.

Hoje temos pacientes de 10 a 12 anos com diabetes tipo 2, que antigamente era encontrado somente nos adultos, temos também  pacientes jovens, na faixa de 27 anos de idade com sinais de obstrução das artérias coronárias, tudo isso proveniente do aumento de peso na infância.

Balanço energético

O balanço energético do organismo humano é regulado por um complexo sistema neuroendócrino, composto por um sistema aferente, uma unidade processadora no sistema nervoso central, a qual fica localizada no hipotálamo, e um sistema eferente, o qual vai trazer informações sobre fome, saciedade e reservas corporais de energia.

Entre os fatores periféricos que nos sinalizam a fome, temos os níveis plasmáticos de glicose, que ficam baixos, e também do cortisol e da grelina, essa última é produzida no estômago e foi identificada em 1.999, quando se pensava que ela era responsável para estimular o hormônio do crescimento. Somente há poucos anos foi descoberto o seu papel importante na regulação do balanço energético. O jejum provoca um aumento na secreção de grelina, enquanto  que a alimentação diminui a sua secreção.

Tratamento da obesidade infantil

O manejo da obesidade na infância é um desafio, pois está muito relacionado à falta de entendimento da criança quanto ao real valor do problema e da mudança de hábitos familiares, principalmente dos pais.

Para o tratamento, existem algumas normas a serem seguidas como: acompanhamento de um médico endócrino, uma dieta balanceada e atividade física. Em muitos casos, faz-se necessário ainda a presença de outros profissionais além do médico endócrino, tais como um nutricionista, um educador físico  e um psicólogo, pois sabe-se que algumas causas da obesidade podem ser psicogenéticas, tais como: rejeição materna, falta de afeto, depressão, culpa, angústias circunstanciais, pais alcoólatras, etc.

É importante a colaboração  dos pais, na mudança de hábito familiar, tanto alimentar quanto em relação à atividade física, pois esses devem estar conscientes de que a obesidade é um risco e que gera problemas, principalmente, na vida adulta. Em resumo, as modificações de comportamento devem ser adotadas por toda a família e as seguintes dicas são importantes:

- Estimular o aleitamento materno, pois estudos recentes demonstraram que esse  aleitamento diminui muito a incidência  da obesidade infantil;
- Estabelecer horários para as refeições e lanches, com intervalo mínimo de uma hora e meia e máximo de três horas;
- Diminuir o tamanho das porções e evitar a sobremesa;
- Estimular a criança a beber água;
- Não comer assistindo televisão e principalmente limitar o tempo do computador, da televisão e dos jogos de vídeo-game;
- Estimular a prática de atividade física;

Ser exemplo. Os pais devem ser os primeiros a participar e dar o exemplo.

Logo, a prevenção é o melhor caminho, principalmente se forem iniciadas assim que identificado o problema e principalmente mantidas as orientações quanto à dieta saudável  e a prática de atividades físicas. A obesidade infantil é um sério agravo para a saúde e sua prevenção significa a diminuição de muitas doenças na vida adulta.



Fonte: Dr. José Umbelino de Moraes, CRM: RJ397834 , é Endocrinologista cadastrado no HelpSaúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa