quinta-feira, 10 de novembro de 2011

A Mente Humana

“A mente é o espelho da vida em toda parte”

“Omne ignotum pro magnífico” (Tudo que se não conhece é magnífico).

A palavra MENTE (vem do latim MENTE), e significa o intelecto, o pensamento, um entendimento, o espírito, a imaginação, uma vontade, uma disposição, uma intenção, um desígnio, por exemplo: a mente de um artista, acolher de má mente um projeto, era sua mente não ceder. A palavra mente de origem latina, é usada nos dia de hoje em substituição à psique, que é de origem grega, porém muitos profissionais ainda a utilizam como sinônimo de mente.

- No campo da psicologia, mente vem a ser um sistema total dos processos mentais ou atividades psíquicas de um indivíduo, e não acarreta implicações de ordem metafísica sobre a essência ou natureza do sistema, e limita-se a destacar as relações entre os fenômenos, tal como se definem através de certos atos e certos comportamentos, porém com qualidades particulares. Ou seja, mentais, que os distinguem, de certo modo, dos outros processos notadamente fisiológicos.

- Mente nada mais é do que, pois, a soma total das estruturas mentais (permanentes e hipotéticas) às quais se atribuiu algumas propriedades que explicam, ou pelo menos tentam explicar os fenômenos e processos do comportamento humano do indivíduo; e quer tais processos estejam ou não relacionados a determinantes somáticas.

- Podemos afirmar que a mente é esse notável e sofisticado equipamento denominado cérebro, que possibilita ao ser humano todas as aptidões que lhe são próprias.

- Segundo um sábio oriental (Rishi Râmana) a mente é apenas um conjunto de pensamentos, se cessarem este pensamento, onde estará a mente?

- Para Mouni Sadhu, mente é nada mais do que a reunião, ou seja, a soma total dos pensamentos. Pensamentos já tidos e pensamentos que temos e os que virão, e os que continuarão a existir mesmo após a morte.

É interessante notar que a maioria dos vultos geniais que a História registra teve pais obscuros e ou medíocres, como Sócrates, Bacon, Copérnico, Kepler, Spinoza, Locke, e outros tantos.

- Para muitos estudiosos a mente existe sem o cérebro físico, que tem cem bilhões de neurônios, ou seja, células cerebrais, mas este não existe sem a mente.

Para C.G.Jung são quatro as funções primárias do ser humano, como sejam:

1.o pensamento 2.o sentimento 3.a intuição 4. a sensação (estas fluem em nossas mentes).

- Suas pesquisas atingiram o cerne de sua psicologia com a idéia de SELF. C.G.Jung para melhor apreender suas fantasias, criou uma representação ,de um personagem imaginário que com ele convivia,era FILÊMON. Este o convenceu de que, existem na alma coisas sutis e coisas que não são feitas pelo eu, mas que são grandiosas numa outra dimensão. Assim temos que a idéia de DEUS fascinava e intrigava a mente de Jung..

- Para o matemático inglês Roger Penrose, ninguém sabe onde termina o cérebro e começa a mente.

Já para o célebre neurologista Antonio Damásio, chefe do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Iowa, nenhum aspecto da mente humana é fácil de investigar.

- A consciência é o problema supremo, e sendo, esta mesma consciência, uma função biológica crítica que nos permite saber que estamos sentindo alegria ou tristeza, sofrimento ou prazer, vergonha ou orgulho, pesar por um amor que se foi ou por uma vida que se perdeu; tem-se que a consciência começa como sentimento do que acontece quando vemos, ouvimos ou tocamos.

A psicoterapia pode ser vista como sendo uma técnica psicológica análoga a um SCANNER, num mapeamento de momentos vividos pelo paciente, num aflorar de suas perturbações, como num esvair-se de um incômodo. Ela, com certeza consolida a experiência concisa de uma ciência, escoimando-a do charlatanismo mental, ou seja, da vulgar tendenciosidade humana pelo engano.

Fonte: Suely Bischoff Machado de Oliveira. CRP: SP 8495

Psicóloga cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Um comentário:

  1. Vale a pena saber

    Lei transforma Oxigênio Medicinal em Medicamento
    No Brasil, a definição legal de Vigilância Sanitária é consentida pela lei
    federal nº 8.080 de 19 de setembro de 1.990.
    “Entende-se por Vigilância Sanitária um conjunto de ações capaz de
    eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários
    decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de
    serviços de interesse da saúde, abrangendo: o controle de bens de consumo que,
    direta ou indiretamente, se relacionem com a saúde, compreendidas todas as
    etapas e processos, da produção ao consumo; e o controle da prestação de
    serviços que se relacionam direta ou indiretamente com a saúde. A Vigilância
    Sanitária de portos,aeroportos e fronteiras não é um dever exclusivo ao S.U.S
    podendo ser executada juntamente com a participação cooperativa da União.(m)”
    Partindo deste principio, a Vigilância Sanitária, no exercício de suas funções,
    fiscaliza ativamente as empresas para garantir a qualidade do oxigênio medicinal
    que chega ao consumidor final. Baseada na RDC (Resolução da Diretoria
    Colegiada da ANVISA) n.º 70, a qual estabelece que os gases medicinais já estão
    inclusos na classificação de medicamentos, a Vigilância Sanitária passou a
    fiscalizá-los como tal.
    A RDC nº 70 estabelece que os fabricantes/envasadores de gases
    medicinais têm um prazo final para a solicitação de Autorização de Funcionamento
    (AFE) na ANVISA até 31.12.2012; porém tanto os fabricantes, quanto os
    distribuidores que realizam o atendimento às empresas da saúde e para o
    consumidor final - todos, sem exceção - precisarão se adaptar às novas regras de
    armazenamento e distribuição de medicamentos, considerando gás medicinal
    como medicamento, com base na RDC n.º 69.
    As empresas descritas acima e também os hospitais e clínicas que já estão
    cadastradas na vigilância sanitária da prefeitura ou estado (CMVS ou CEVS), para
    suas atuais funções, podem ser apenadas com multas ou interdição, caso não
    transportem ou armazenem os gases medicinais de acordo com o conjunto de
    regras aplicados à indústria farmacêutica, as quais, de forma reflexa, são agora
    aplicadas a distribuidores de medicamentos. As empresas ainda não cadastradas
    deverão se cadastrar como fabricante ou distribuidor de medicamentos, para então
    poderem solicitar a AFE na ANVISA e se adequarem a legislação vigente.
    Em acréscimo às novas regras, a partir de 01.01.2013, todos os gases
    medicinais serão controlados por lote, identificação de data de validade e
    fabricação possibilitando sua rastreabilidade, ou seja, o controle exato do local que
    o medicamento se encontra, desde o momento em que o cilindro deixa a indústria
    fabricante até a sua entrega ao usuário final.
    Para o distribuidor de gases medicinais, as exigências são baseadas na
    mesma portaria em que se encontra a fabricação, naquilo que lhe concerne. Tanto
    para o distribuidor quanto para o fabricante se qualificar para o atendimento, são
    necessários armazenamento e transporte corretos para medicamentos; além de um
    farmacêutico responsável treinado e capacitado para tal atividade, fornecimento de
    cilindros com bula do gás medicinal, seu manual de uso e manuseio e por fim o
    número de CMVS ou CEVS e posterior AFE na ANVISA.
    Rotineiramente, a Vigilância Sanitária está fiscalizando as empresas
    distribuidoras de oxigênio e outros gases, clínicas médicas e empresas de home
    care, estabelecendo prazos para a sua correta adequação de utilização e
    comercialização, aplicados a esta nova legislação.
    Estamos vivenciando a cada dia uma nova realidade ética em nosso país e a
    tendência é levar ao consumidor final maiores informações, para que cada vez
    mais os consumidores sejam respeitados e obtenham maior segurança. Por
    conseqüência, seus direitos serão também garantidos.
    Juliana Carvalho
    julianascarvalho@gmail.com
    Fonte: Respirox Comércio de Oxigênio Ltda
    1ª Empresa Cadastrada na Vigilância Sanitária para
    comercializar gases medicinais como medicamento
    Colaborou: Kátia Gualiato

    ResponderExcluir