Pular para o conteúdo principal

Constelações Familiares

Problemas com o relacionamento conjugal? Angustia com a família de origem? Dificuldades com a partilha da herança? Conflitos com membros familiares? Dificuldades e conflitos no meio organizacional, disputas, partilhas, brigas de poder?

Tem surgido no mercado brasileiro uma técnica complementar de terapêutica familiar que atrai tanto curiosos como profissionais das áreas psicológicas e medicas. A técnica tem por principio organizar o lugar e as relações, vínculos estabelecidas pelos membros de um sistema familiar ou mesmo de um sistema organizacional. Trata-se da abordagem fenomenológica terapêutica fundamentada nas descobertas do alemão Bert Hellinger: A Constelação Familiar

A constelação familiar se baseia no uso de representantes neutros para representar membros da família ou grupo social do cliente e trabalhar um tema específico trazido por este último.

Na terapia familiar sistêmica, trata-se de averiguar se, no sistema familiar ampliado existe alguém que esteja emaranhado nos destinos, escolhas, crenças, de membros anteriores desta família. Isto pode ser trazido à luz por meio do trabalho com as Constelações Familiares. Trazendo-se a luz os emaranhamentos, a pessoa consegue se libertar mais facilmente deles - ela passa a ter consciência do que age no seu sistema e a ter a opção da escolha sobre seu próprio destino.

Há uma dinâmica silenciosa e sutil atuando sobre todo sistema familiar, em sua história, em seus acontecimentos, em sua cultura e linguagem própria. Tal dinâmica atua sobre todo e qualquer sistema, e segue leis próprias as quais Bert Hellinger observou em seu trabalho empírico fenomenológico. Bert Hellinger então diferenciou e apontou as leis que atuam sobre o sistema familiar e iniciou diversas reflexões expostas em seus diversos livros publicados mundialmente.
Quando tais leis dinâmicas são desobedecidas, ignorada ou rompidas, geram maior "pressão", "peso", "tensão" sobre o sistema, sobrecarregando as relações dos membros internos ao mesmo. Tal tensão pode recair mais sobre um membro específico do sistema, adoecendo-o ou conduzindo a um tipo de escolha, crença, postura e/ou comportamento. Na constelação familiar, se olha para este sistema e para a posição e postura de cada membro e como tais interagem sobre e entre si - buscando, por meio de gestos, reposicionamentos e falas, alcançar a leveza e ordem, perdida no sistema.

Da mesma maneira como esta abordagem terapêutica tem trazido luz aos relacionamentos familiares, também tem sido útil para empresas e organizações, que por representarem um grupo organizado de pessoas, tornam-se um sistema. Por meio das constelações organizacionais se tornam visíveis soluções para um sistema com "problemas".

Procura-se então, no sistema soluções que incluem e levem adiante. A solução inclui a ordem, aonde cada qual tem seu devido lugar, aonde sente-se bem, aonde sente-se leve. Caso alguém não se sinta bem em seu lugar, então, via de regra, relacionamentos internos ou particulares precisam ser esclarecidos. Este esclarecimento pode ocorrer durante o trabalho de constelação sistêmica organizacional.

Alguns dos temas que comumente são abordados pelos constelandos/clientes em uma sessão individual ou workshop:

• Relacionamentos com familiares (pai, mãe, marido/esposa, filhos, avós, tios);
• Acontecimentos familiares marcantes (adoções, perdas, doenças psiquiátricas, mortes precoces, assassinatos, suicídio, abortos, entre outros);
• Relacionamento interpessoal (sexualidade, amantes, parceiros amorosos e sexuais, amigos, colegas);
• Problemas de saúde (dores crônicas, obesidade, depressão, câncer, problemas cardíacos);
• Envolvimentos com drogas, alcoolismo, tabagismo;
• Conflitos profissionais com chefes, colegas, empresas;
• Dificuldades em empresas familiares, no relacionamento com os sócios, no relacionamento com a clientela ou com o mercado;
• Duvidas ou dificuldades quanto à postura ou conduta profissional;
• Relação com o dinheiro, lucro, despesas, dividas;
• Conflitos profissionais com chefes, colegas, empresas;
• Questões empresariais e administrativas (abertura de empresa; fracasso X sucesso; perda financeira; dificuldades na liderança; mudanças de carreira; recolocação profissional).

Numa constelação familiar pode-se participar como cliente (constelando) que leva um tema especifico para constelar, como representante que esta a disposição para ocupar um lugar na dinâmica do sistema constelado, ou como simples observador.

Tais posições em si já trazem alguns benefícios, entre os quais se destacam:

Como constelando: a colocação de um tema ou situação específica gera um movimento interno da parte dos representantes que desvenda e traz à luz uma dinâmica desconhecida desencadeando (junto do cliente) um processo de cura.

Como representante: ser escolhido como representante leva à vivência de situações que causam diversas associações e percepções de semelhanças com o sistema da pessoa escolhida, desencadeando um processo de cura;

Como observador: o simples fato de estar presente e observar o trabalho desenvolvido pode desencadear um processo de cura;

A abordagem apresenta uma vasta gama de aplicações práticas e devido aos seus efeitos esclarecedores no campo das relações humanas promove entre outros:

• Melhoria das relações familiares;
• Melhoria das relações interpessoais nas empresas;
• Melhoria das relações no ambiente educacional.

Fonte: René Schubert. CRP: SP 65624

Psicólogo cadastrado no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa