Pular para o conteúdo principal

Seria a obesidade uma doença infecciosa?

A obesidade já é considerada como a epidemia do novo milênio. No Brasil, pesquisa do IBGE mostra que 1/3 da população brasileira está acima do peso ideal, sendo que 6% dos homens e 13,3% as mulheres são obesos. Na América Latina em torno de 200 mil mortes por ano estão diretamente relacionadas com o excesso de peso. Cerca de 50% da população brasileira já tentou perder peso e 15% dos adolescentes estão acima do peso.

Um vírus conhecido por causar a obesidade em aves foi associado a problemas de peso em humanos e foi considerado a possibilidade que algumas pessoas "pegam" obesidade e que, em alguns casos, poderia ser uma doença infecciosa.

Esta descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade Wisconsin-Madison onde o estudo preliminar deles concluiu que 15% das pessoas obesas têm anticorpos ao vírus e indicam que eles foram expostos a ele, mas que isto não ocorreu em nenhuma pessoa magra.

Segundo afirmações do Prof. Nikhil Dhurandhar, o cientista que chefiou a pesquisa juntamente com o Professor Richard Atkinson, endocrinologista e especialista em estudos da obesidade humana, este é o primeiro vínculo de um vírus com a obesidade humana. É um dos achados mais significantes no campo de obesidade em anos, e abre uma área nova de pesquisa e potencial tratamento da doença.

Essa pesquisa que surpreende, será uma grande revolução e poderá explicar porque 26% de adultos americanos eram obesos em 1980 e agora este percentual se elevou para um índice de quase 60% da população norte-americana, de acordo com estatísticas oficiais, que é muito gorda ou obesa, ou seja, mais de 135 milhões de americanos estão obesos apresentando um IMC (Índice de Massa Corporal) igual ou maior a 27 kg/m². Pesquisas recentes nos Estados Unidos estimam que no ano 2025 cerca de 75% da população será de obesos, com mulheres pesando em média entre 66 e 77 quilos.

Muitos pesquisadores ainda estão buscando uma resposta porque este aumento tão grande da obesidade está acontecendo, mesmo com o tipo de alimentação, estilos de vida sedentários, predisposição genética e problemas de metabolismo que não explicam a tendência a tão grande aumento na incidência da obesidade nos Estados Unidos e agora, até mesmo no Brasil. De um certo modo, esta progressão segue um tipo de padrão que poderia acontecer com uma doença infecciosa nova, como foi visto com o vírus da AIDS. Com isto nós podemos pensar na possibilidade de que a obesidade seja uma doença de origem viral.

A noção de obesidade como uma doença infecciosa não é convencional, mas há 15 anos atrás se qualquer médico dissesse que a úlcera gástrica era causada por bactérias, as pessoas diriam que era algo absurdo, sem cabimento e hoje sabemos que a úlcera é causada por uma bactéria, o Helicobacter pyllori.

O mecanismo pelo qual o vírus poderia causar ou poderia contribuir para a obesidade ainda não é muito bem conhecido. O que sabemos é que uma pessoa, predisposta geneticamente, pode ficar gorda aos 20, 30, 40 anos ou em qualquer idade sendo que até a um determinado momento era magra. Outro fato que se conhece é que o Ad-36, em culturas de tecidos em laboratório, parece aumentar a diferenciação de adipoblastos (células pré-adiposas) para adipócitos (células adiposas), sendo que adipoblastos expostos ao vírus Ad-36 têm 3 vezes mais possibilidades em se tornarem células adiposas (gordurosas), ou seja este vírus estimula as células pré-gordurosas (os adipoblastos) a se tornarem células gordurosas (os adipócitos).

Os Adenovírus que infectam aves, encontrado na Índia, poderia induzir a obesidade quando foi injetado em galinhas. Até o momento foram descobertos cinco vírus animais que podem causar a obesidade em animais, sendo o principal deles o Adenovírus SMAM-1, mas nenhum vírus em humanos tinha sido implicado até o estudo sobre o Adenovírus-36 ou Ad-36.

As Adenoviroses humanas formam uma grande família de uns 50 tipos de vírus. Transmitido pelo ar com contágio de pessoa-para-pessoa, eles podem causar infecções respiratórias superiores, resfriado comum, problemas gastrintestinais e infecções oculares em seres humanos. Há muito já se sabia desses tipos de efeito dos adenovírus, mas o Ad-36 não parece ser um vírus comum.

Por motivos éticos a pesquisa só está sendo feita em animais, apesar de o vírus ser encontrado em seres humanos e foi realizado em duas partes, primeiro foram injetados em animais de laboratório o Ad-36 para testar a teoria que estes vírus pudessem causar a obesidade. Os animais se tornaram gordos e surpreendentemente tinha colesterol e triglicérides normais, ao contrário que se esperaria de encontrar, observando que esta obesidade normalmente seria acompanhada por níveis elevados tanto do colesterol quando dos triglicérides. Esta seria uma característica paradoxal do referido vírus em animais que parece produzir baixos níveis de colesterol e triglicérides junto com a obesidade, enquanto que a obesidade normalmente é acompanhada por níveis elevados dessas substâncias. Outra descoberta detectada foi de que o vírus Ad-36 se desenvolve rapidamente no sangue e no tecido adiposo, entretanto não ataca o tecido muscular esquelético e DNA do vírus foi detectado no tecido adiposo até mesmo 4 meses após a infecção com o Ad-36.

Em seguida eles testaram 199 pessoas, sendo 154 obesos e 45 magros para pesquisa da presença de anticorpos para o Ad-36. Aproximadamente 30% das pessoas obesas apresentavam os anticorpos e menos de 5% das pessoas magras tinham os referidos anticorpos.

As pessoas obesas anticorpos-positivo tinham significativamente colesterol e triglicérides mais baixos que as pessoas obesas anticorpos-negativo, um padrão semelhante ao visto em animais infectados com Ad-36.

Cerca de 30 outros fatores que poderiam explicar diferenças de peso entre os dois grupos, como idade, história familiar ou obesidade, doenças como diabetes, disfunções renais ou hepáticas foram comparados.

Nada surgiu que fosse diferente, exceto os anticorpos para o vírus Ad-36.

A presença de anticorpos era associada com uma resposta significativamente melhor para tratamento da obesidade com medicamentos, especialmente nos animais do sexo masculino.

Muitas pesquisas adicionais ainda serão necessárias para determinar se a epidemia global de obesidade pode ser em parte devida a infecção com Ad-36 ou não. Caso seja confirmado esse tipo de infecção em humanos o próximo passo da ciência será produzir uma vacina contra esse vírus e futuramente, através da engenharia genética a medicina tentará consertar os "estragos" que esse vírus causou ao DNA dos obesos.

Fonte: Dr. Rogerio Alvarenga. CRM: RJ 23389

Endocrinologista cadastrado no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa