Pular para o conteúdo principal

Amamentação

Qual a importância para a mãe?

Além da importância na construção do laço afetivo mãe-filho, a amamentação beneficia a mãe em vários aspectos. Enquanto o bebê suga, o corpo da mãe é estimulado a produzir um hormônio chamado ocitonina que contrai o útero, diminuindo o sangramento e fazendo com retorne ao volume normal. Ajuda também a mãe perder peso e retornar à sua condição física prévia a gravidez.

Existem ainda estudos indicando que mulheres que amamentaram por mais tempo e com maior freqüência, tiveram menor risco de câncer de ovário e de mama.

E para o bebê?

Há inúmeras vantagens no desenvolvimento individual quando os bebês podem ser amamentados no período inicial da vida.

Amadurecimento psico-social - Crianças amamentadas tendem a mais tranqüilas e sociáveis durante a infância.
Amadurecimento do trato gastro intestinal - É importante facilitador na liberação do mecônio (as primeiras fezes do bebê). O que diminuiria os riscos de doenças da digestão no adulto;
Amadurecimento do sistema imunológico - O leite materno protege o bebê de infecções, além de possuir anticorpos, leucócitos, entre outros. Tudo isso reduz bastante o risco futuro de alergias e doenças auto-imunes;
Amadurecimento do sistema de mastigação e da fala - no ato de sugar, o bebê desenvolve a mandíbula, a futura dentição e músculos da face, contribuindo para entre outros benefícios, o bom desenvolvimento da fala.

Quais os cuidados?

Os cuidados começam na higiene dos seios: use apenas água filtrada, sem sabonete, para não perder a hidratação natural. O bico do peito deve ser muito bem seco (não vestir sutiã se estiver úmido e trocá-lo se houver vazamento).

Caso surjam feridas, use o próprio leite para higienizar e espere secar. O banho de sol é muito importante na preparação dos seios para amamentar. 10 a 15 minutos, todos os dias antes das 10h da manhã e após as 15h. O calor ajuda a resistência da pele. O bebê deve abocanhar toda a auréola; a mãe pode ajudá-lo, fazendo uma “tesoura” com os dedos.

Se houver necessidade de extrair o leite, dê preferência a usar as mãos, evite bombas elétricas ou manuais. Evite o uso de pomadas, e absorventes ou lencinhos. Eles tendem a umedecer a pele, o que agrava a sensibilidade, favorecendo o surgimento de feridas.

Quando não pode?

Mulheres com HIV, tuberculose ativa e hepatite B não devem amamentar. Dependentes de drogas ou álcool também não devem, assim como as que estiverem em tratamento radio ou quimioterápico. Há medicamentos cujo uso contra indica a amamentação e vice-versa. Mas mesmo que não esteja amamentando, pode ser importante que a produção de leite seja continuamente estimulada, com extração de leite utilizando bomba, para que ela possa retomar o aleitamento quando for possível.

Para todos estes casos, consulte seu ginecologista e o especialista da área em que estiver se tratando.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Está a procura de um Ginecologista? Encontre-o em 2 cliques no HelpSaúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa