Pular para o conteúdo principal

Implantes Dentários, uma realidade em tratamento.

Uma das alternativas mais modernas para recuperar perdas parciais ou totais de dentes é o uso dos implantes em carga imediata, o que significa que os mesmos recebam de imediato os dentes, recuperando portanto, na mesma consulta a estética e a função (carga) mastigatória sem a necessidade da espera pelo processo de osteointegração. A possibilidade de ter a prótese em função no mesmo dia da colocação dos implantes é muito atraente.

Este tipo de técnica não pode ser utilizada como substituta a técnica convencional de tratamento com implantes e sim, como uma alternativa, onde seus princípios estão bem estabelecidos e indicados. O uso da técnica de implantes com carga imediata está indicada nos casos onde o paciente apresenta boa condição geral de saúde, ausência de hábitos parafuncionais (bruxismo), higiene bucal satisfatória, quantidade e qualidade de osso suficiente para obter a melhor fixação do implante, boa estabilidade primária do implante, distribuição ideal dos implantes nos arcos e ainda, quando o cirurgião-dentista possui o controle dos movimentos e da força mastigatória do paciente.

A técnica de carga imediata foi descrita para ser usada principalmente na mandíbula, em pacientes edêntulos (sem nenhum dente), com a colocação de prótese fixa sobre os implantes em consulta única.

Atualmente os materiais restauradores são cada vez mais eficientes quanto à translucidez, formato, resistência cor e resistência.

Esta seria uma alternativa viável, satisfeitas as exigências clínicas, para as pessoas que perderam seus dentes e junto com eles, parte de sua saúde, auto-estima e a sua vida social.

Hoje em dia, dificilmente um paciente ficará sem os dentes, em qualquer uma das técnicas indicadas. Comparado a um recente passado, hoje este tipo de tatamento está cada vez mais acessível a população de um modo geral, tendo havido por conseguinte uma diminuição considerável dos valores praticados, se comparados a década de 80.

Até para aquelas pessoas que perderam os dentes há muitos anos, e conseqüentemente perderam sua estrutura óssea de suporte, a possibilidade de implantá-los hoje em dia não deve ser descartada.

Atualmente quando um dente tem sua extração indicada , é porque via de regra, está sem condições de tratamento. Os dentes podem ser perdidos por problemas gengivais( doença periodontal avançada) ou de canal sem o devido tratamento, associados à presença de bactérias levam a perda do dente e da estrutura óssea adjacente de suporte, alem de comprometer a saúde como um todo.

Já existem hoje técnicas de enxertos ósseos, que podem substituir a necessidade da remoção cirúrgica de tecido ósseo do próprio paciente.

Outra conquista da ciência, são as avançadas tomografias computadorizadas, tomografias pluridirecionais em 3D, capazes de avaliarem e de diagnosticarem as condições ósseas dos pacientes e a necessidade ou não de um enxerto ósseo com a finalidade de restabelecer o volume ósseo perdido pelas extrações dentárias ou atrofia óssea, e necessária a instalação do implante.

Fonte: Luiz Alberto Ferraz de Caldas. CFO: RJ CD 7724

Cirurgião Dentista cadastrado no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa