Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil - 23 de Novembro

Que as nossas crianças e adolescentes são o nosso futuro todos sabemos.

Infelizmente, precisamos lembrar também que algumas vezes elas sofrem e precisam do apoio de todos.

O dia 23 de novembro foi escolhido para alertar a todos sobre o CÂNCER INFANTIL (infanto juvenil- até os 19 anos), a partir da Lei n° 11.650 de 4 de abril de 2008.

Neste dia precisamos refletir sobre iniciativas para estimular ações preventivas e educativas de combate ao câncer infantil, além de promover palestras e debates sobre o tema.

Fatos importantes

1. O câncer é a segunda maior causa de mortes em crianças, fazendo 9 mil vítimas anualmente, segundo estimativas do INCA.
2. É a primeira causa de morte em crianças de 0a 5 anos e a primeira causa de morte por doença entre os 6 e 18 anos.
3. O tipo de câncer mais comum na infância é a leucemia, respondendo por 33% dos casos.
4. Em seguida vem o linfoma, com 12% dos casos.
5. 85% das leucemias em crianças são da forma linfóide aguda (LLA), 10% mieloide aguda (LMA) e 5% mieloide crônica (LMC).
6. A detecção (identificação e diagnóstico) precoce aumenta muito as chances de sucesso no tratamento.

Quando devemos suspeitar que algo não vai bem? ( procure o pediatra!)

Uma das maiores dificuldades no tratamento do câncer infanto-juvenil é garantir que a criança seja avaliada a tempo.

É muito importante que as crianças até 12 anos, ao menos, compareçam regularmente ao pediatra. Deste a primeira consulta, em geral, 15 dias após o nascimento, é ideal que a criança seja acompanhada pelo mesmo pediatra. O médico irá informar as vacinas que devem ser tomadas em cada fase da vida da criança, seu crescimento e desenvolvimento será acompanhado, os eventuais problemas e doenças característicos da infância serão tratados, alergias e problemas recorrentes ou hereditários serão abordados e manejados para reduzir os prejuízos à criança e os eventuais sinais de problemas mais graves poderão ser abordados mais precocemente.

São sinais que devem chamar nossa atenção e indicam uma consulta pediátrica:

• Dores ósseas, sem ter havido nenhum trauma (quedas ou batidas) na região da dor;
• A presença de massas (volume) no abdômen ou em cima de algum osso;
• Dores de cabeça + vômitos + dificuldades em se movimentar + alterações bruscas no comportamento habitual da criança.
• A presença de pupila esbranquiçada quando bate uma luz forte, por exemplo, o flash de uma câmera fotográfica (em especial em menores de 3 anos).

ATENÇÃO:
A maioria destes sintomas está presente em doenças características da infância e de fácil tratamento, não são características exclusivas de câncer e nem indicam apenas este diagnóstico.

Estes sintomas e sinais sugerem cuidado.

É necessário recorrer a uma consulta pediátrica para avaliação do quadro da criança.

O TRATAMENTO
O tratamento do câncer infantil está em constante progresso.

Atualmente, 70% das crianças diagnosticadas com a doença são curadas após o tratamento adequado.

Uma das maiores dificuldades em tratar o câncer infantil é a demora em se fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento.

Os projetos existentes são importantes ferramentas nesse processo, pois são necessários longos períodos de internação e durante essa etapa não só a criança como toda a família recebem o apoio necessário.

Atenção aos aspectos sociais da criança com câncer

Durante todo o tratamento, estando a criança internada ou em casa, há a necessidade de se instaurar uma nova ordem na sua rotina para que ela não sofra maiores prejuízos em seu desenvolvimento intelectual, emocional e social.

Por isso, as diversas iniciativas e projetos voltados para a promoção e desenvolvimento de programas de estudo e recreação durante a internação, suporte aos familiares e apoio financeiro às famílias é de grande importância para o tratamento do câncer infanto juvenil.

Seu filho tem ido regularmente ao pediatra? Saiba como encontrar um pediatra perto de você.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa