Pular para o conteúdo principal

Depressão Infantil

A depressão é uma patologia que se não identificada e tratada acarreta em danos irreparáveis ou de difícil eliminação para o portador. É uma perturbação orgânica que envolve variáveis biológicas, psicológicas e sociais.

Nas crianças, principalmente, é importante esse diagnóstico uma vez que se esta doença não é percebida e tratada, os padrões de comportamentos depressivos podem tornar-se mais resistentes com o passar do tempo, e assim danos graves podem ocorrer na vida da criança comprometendo sua auto-estima, seu desempenho escolar e seus relacionamentos interpessoais.

Em relação à depressão infantil, a sintomatologia clinica e os critérios para diagnóstico são semelhantes ao dos adultos, no entanto as formas de expressão e os relatores diferem de acordo com no nível de desenvolvimento, o que dificulta seu diagnóstico por muitas vezes estarem camuflados os sintomas e estes se confundirem com outros distúrbios.

Sintomas diretos e indiretos da depressão:

- Queda do rendimento escolar;
- Problemas de memória;
- Desconcentração;
- Perda de atenção;
- Diminuição do interesse;
- Falta de iniciativa;
- Indecisão;
- Lentidão;
- Diminuição do prazer nas atividades normais;
- Perda da energia física ou mental;
- Agressividade;
- Irritação;
- Agitação;
- Rebeldia;
- Insegurança;
- Inibição;
- Tristeza;
- Irrequietação;
- Prostração;
- Calma excessiva;
- Oscilações do humor;
- Movimentos estereotipados;
- Mutismo;
- Gritos;
- Tiques;
- Falta de expressividade;
- Desleixo;
- Cansaço;
- Dificuldades para dormir;
- Hipersônia;
- Pesadelos;
- Ansiedade;
- Atraso no desenvolvimento infantil;
- Queixas somáticas;
- Aumento do peso;
- Diminuição do peso;
- Distúrbios alimentares;
- Hipocondria;
- Manifestações somáticas através de doenças, alergias, etc.;
- Auto-estimulações prolongadas;
- Choro freqüente;
- Condutas anti-sociais;
- Baixa auto-estima;
- Desesperança;
- Pessimismo;
- Sentimento de rejeição;
- Sentimento de desvalorização;
- Sentimento de culpa exagerado;
- Intensa busca afetiva;
- Aumento da sensibilidade a separações;
- Apego excessivo a animais substituindo os amigos;
- Procura relacional tão intensa que seja impossível qualquer atividade autônoma;
- Procura incessante a agradar o adulto;
- Recorrentes pensamentos de morte e
- Tentativas de suicídio.

Os sintomas podem variar de acordo com a fase de desenvolvimento da criança, além de não serem todos apresentados por uma mesma criança, mas a presença de alguns com freqüência, num período de duas semanas, sem que seja desencadeado por alguma morte de animal ou ente querido ou por doença pode ser indicativo de depressão.

A criança depressiva, por sentir-se culpada pode autopunir-se, ferindo-se ou sofrendo acidentes. Coloca em situação de risco sua integridade física devido a conflitos inconscientes, atuantes, que a levam a emitir comportamentos compulsivos ou de desafios na tentativa de mobilizar a tensão do outro para que perceba seu sofrimento, mesmo possuindo a noção consciente do perigo.

A depressão infantil é de difícil diagnóstico por ser passível de ser confundido com outras disfunções, além da criança deprimida geralmente ser irritada e não cooperativa e de a criança ter dificuldades para identificar e expressar seus sentimentos. No entanto, com o decorrer do desenvolvimento e com a aquisição da linguagem, a criança vai aos poucos se tornando capaz de se expressar cada vez com mais clareza assim sendo mais acessível e compreendida.

Para um diagnóstico clínico, além do auxílio dos testes de avaliação, é necessário que sejam feitas entrevistas com os pais, com a criança e com outras pessoas próximas. A observação também é um instrumento importante para a obtenção de informações. Feito um diagnóstico adequado, é possível se iniciar um tratamento específico para o caso.

Se não tratada a depressão infantil, o distúrbio interfere no desenvolvimento das habilidades social, emocional, cognitiva e interpessoal, além, de poder levar ao suicídio e à manutenção das condutas depressivas.

A escola é um ambiente favorável para a percepção dos principais sintomas (queda do rendimento, perda de concentração etc.) sendo adicional ao fornecimento de informações da possibilidade de existência de uma depressão na criança.

Fonte: Manuela Caroline Ferreira Lima. CRP: SP 84298

Psicóloga cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa