quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Obesidade e o papel da Nutrição

A nutrição é fundamental para a prevenção, o tratamento de doenças e está estritamente relacionada com os hábitos e o estilo de vida. E, é justamente as mudanças que ocorreram no estilo de vida da sociedade no último século que desencadeou a “explosão” dos casos de obesidade e excesso de peso. O excesso de peso é mais do que uma desordem estética, representa risco para o desenvolvimento de diversas doenças e causa perdas sociais e econômicas.

A Organização Mundial da Saúde projetou, para o ano de 2015, 2,3 bilhões de pessoas com excesso de peso no mundo, sendo 700 milhões obesos. Essa projeção é baseada em estudos epidemiológicos que levam em conta o índice de massa corporal (IMC), mas quando levamos em consideração a gordura abdominal – mais prejudicial por ser causadora de desordens metabólicas – os índices podem ser ainda piores.

Em 2010, o Ministério da Saúde e o IBGE divulgaram dois grandes levantamentos sobre o excesso de peso e a obesidade no Brasil. O Vigitel Brasil 2009, que usa como metodologia para coleta de dados inquéritos telefônicos e abrange pessoas maiores de 18 anos; e a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008 – 2009 (POF) que realiza as avaliações a partir dos 5 anos de idade. Nesses dois levantamentos, foi observado o aumento do ganho de peso e da obesidade em comparação com pesquisas anteriores.

Segundo o POF (2009), uma em cada três crianças de 5 a 9 anos de idade está acima do peso e, dentro desse grupo, 16,6% dos meninos e 11,8% das meninas são obesos. A região sudeste tem o maior índice de excesso de peso, chegando a 40,3% para os meninos e 38% para as meninas desta faixa etária. Entre os adolescentes (10 a 19 anos), o índice de obesidade está em 5,9% para o sexo masculino e 4% para o feminino, com o excesso de peso em 21,7% para o sexo masculino e 19,4% para o feminino.

Com relação à população maior de 20 anos, no período de 1974-75 a 2008-09, o excesso de peso triplicou entre os homens, saltando de 18,5% para 50,1% e, entre as mulheres, passou de 28,7% para 48%. O excesso de peso é maior entre os homens de maior renda e não apresentou variação entre as mulheres – a região sul foi aquela que apresentou os maiores índices de excesso de peso e de obesidade.

Dentro desses parâmetros desfavoráveis, o que a nutrição e a alimentação saudável são capazes de fazer para promover a composição corporal saudável? Os estudos mostram a atuação de alimentos termogênicos, antiinflamatórios e antioxidantes na prevenção e redução do ganho de peso. A gama de alimentos disponíveis é capaz de proporcionar uma alimentação saudável e saborosa, basta usarmos criatividade e técnicas dietéticas adequadas.

Estratégias nutricionais gerais para a prevenção do excesso de peso e obesidade:

• Aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade;
• Fracionamento da dieta;
• Consumo ótimo de frutas e hortaliças;
• Consumo ótimo de cereais integrais e grãos;
• Evitar alimentos ricos em gorduras saturadas: carnes gordas, manteigas, margarinas, molhos a base de creme de leite, chantilly;
• Evitar o consumo de frituras/ preferir assados e grelhados;
• Evitar alimentos industrializados processados: ricos em glutamato monossódico, conservantes artificiais e gorduras saturadas e trans.

Os “erros” alimentares mais comuns na dieta dos brasileiros são: a ingestão excessiva de açúcar, alimentos processados, sódio e gordura saturada; e a baixa ingestão de frutas, hortaliças e água – isso somado a supervalorização do consumo de carnes. Desse modo, a educação nutricional se faz necessária como forma de conter o avanço do excesso de peso e obesidade na população brasileira.

Em tão pouco tempo (35 anos entre a primeira e última pesquisa POF), não houve mudanças no genoma humano que justifiquem a obesidade como doença predominantemente genética – a epidemia de obesidade está relacionada aos maus hábitos de vida, ou seja, alimentação inadequada e sedentarismo.

O papel do nutricionista é de extrema importância para reverter o avanço desta epidemia. Políticas públicas precisam ser pensadas e a sociedade civil deve cobrar providencias nesse sentido, tanto para promover educação nutricional obrigatória nas escolas, como para promover a atuação de nutricionistas em centros de saúde e núcleos de atenção à saúde da família (NASF) – em número suficiente para trabalhar de forma personalizada e efetiva.

Fonte: Perla Menezes. CRN: SP 3 14198

Nutricionista cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Nenhum comentário:

Postar um comentário