Pular para o conteúdo principal

BEBERMORAR

O álcool está presente na história da humanidade há tempo suficiente para ter participado de rituais com animais e pessoas mortas, para ser o centro de milagres e rituais de sucesso nas colheitas e caças, casamentos e vitórias de toda sorte.

Infelizmente, ele é coadjuvante assíduo também em conflitos familiares, em brigas de trânsito, em acidentes de trabalho, conflitos armados e em mortes trágicas de vários tipos. A coragem, a sorte e a aventura costumam estar associadas a ingestão de álcool.

A culpa é ou não da bebida?
A culpa pode não ser de ninguém, mas alguém deve ser responsabilizado, certamente.

Bebemos, não só porque é líquido. Bebemos também porque é uma delícia, faz casquinhas na garganta (dizem) e o bem estar que provoca no início é ótimo. Combina mesmo com ocasiões alegres e festivas. Sua presença é uma constante em todos os eventos realmente importantes na vida das pessoas.

Em doses moderadas e nos momentos certos, pode mesmo fazer bem à saúde, manter o colesterol em níveis seguros e diminuir o estresse. As doses moderadas são as mesmas para quase todos nós, maiores de 18 anos. Há os que não podem beber por restrições de saúde (diabéticos, alcoolistas, pessoas em uso de alguns medicamentos e outras situações). Há também os que estão trabalhando ou que irão dirigir ou operar máquinas de precisão, cuidar de crianças ou enfermos, enfim. Sabem que não é o momento.

O problema mesmo está na dificuldade de se encarar os limites, especialmente em momentos de festa e descontração.

Medidas simples para não pagar mico e poder relaxar e se divertir sem precisar ficar abstêmio (se você não tem restrições médicas quanto a beber):

• Água! Beba líquidos como água, sucos, água de coco;
• Alimente-se corretamente. Coma de 4/4h refeições leves e de fácil digestão;
• Não abuse de alimentos gordurosos e massas;
• Um clássico: não misture destilados com fermentados. De fato, escolha as bebidas pelo teor alcoólico e dê preferência às misturas com água, gelo e frutas;
• Faça pausas. Espace o tempo entre a ingestão de álcool, associando sempre à refeição.

Há um cuidado especial em relação aos excessos neste período. O EXEMPLO. Há estatísticas que comprovam que o início do uso de bebidas alcoólicas antes dos 18 anos, em especial dos meninos, se dá em festas e comemorações dentro de casa, dentro das reuniões de família. Esta é mais uma razão para termos responsabilidade em meio à diversão. Precisamos estar cientes de como apresentamos as bebidas alcoólicas aos nossos filhos.

Não se trata simplesmente de repreendê-los ou censurá-los, mas, em especial, de nos darmos conta de que eles aprendem com o que fazemos muito mais do que com o que falamos. Saúde!


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa