Pular para o conteúdo principal

Furúnculo

O que é furúnculo?

Trata-se de uma doença de pele razoavelmente comum. Ela surge quando existe inflamação nos folículos pilosos, que são as cavidades onde nascem os pelos. Este poro aonde surgiu inflamação acaba sendo contaminado por bactérias que costumam colonizar a pele. O resultado é o acúmulo de pus e tecido morto dentro do poro. Com a expansão da infecção, a pele ao redor vai sendo atingida. Forma-se um orifício maior com o seu contorno bastante doloroso, avermelhado e inchado.

Costuma ser causado pela bactéria estafilococos. Pode ocorrer em diversas áreas do corpo. Mas, surge principalmente em locais de maior atrito ou transpiração como axilas, virilhas, nádegas, face interna das coxas ou pescoço.

Quando a bactéria entra no folículo, se espalha e forma-se uma lesão dolorosa, com tamanho variando de acordo com a profundidade do folículo atingido. A lesão tem aspecto enrijecido, quente e de coloração avermelhada.

O centro da lesão tem tom amarelado, devido à necrose causada pela infecção, e popularmente, é chamada de carnegão.

Nos casos em que vários furúnculos se “interconectam”, formando o que se chama de carbúnculo.
Em casos mais graves, podem resultar em abscessos.

Quais são os sintomas apresentados?

Inicialmente o paciente percebe um nódulo na pele, avermelhado, bastante doloroso e com inflamação. O local da lesão fica quente e endurecido, e pode ou não ter um ponto central com pus.

Conforme o furúnculo evolui (poucos dias), o nódulo se rompe e elimina pus e uma massa esbranquiçada (carnegão), resultando em uma ferida, que quando cicatriza pode deixar uma mancha escura na pele.
Algumas pessoas podem apresentar episódios repetidos de ocorrência de furúnculos, aos quais se dá o nome de furunculose. Esta evidencia uma deficiência do organismo em combater a infecção do folículo piloso (do pelo encravado, por exemplo).

Como é feito o tratamento do furúnculo?

O médico, durante a análise clínica, irá avaliar os sintomas e o aspecto da lesão. Não são necessários exames mais específicos ou detalhados, a não ser no caso de furunculose, onde deverá ser investigada qual a deficiência que o paciente possui e que o deixou vulnerável à doença. A partir daí, ele irá traçar uma estratégia para melhorar a sua imunidade.

Enfim, furúnculo poderá ser tratado com medicação local ou oral, segundo a evolução e extensão do caso e à critério médico.

Quando se tratar de caso muito doloroso e que apresente a superfície amolecida, pode ser indicada a drenagem da lesão, para ajudar no alívio da dor. Este método somente poderá ser executado por médico ou enfermeiro. Não é recomendável fazer em casa ou por conta própria.

Compressas de calor podem auxiliar diminuindo o tempo da inflamação, mas mesmo essas só devem ser feitas com orientação médica.

Normalmente, o furúnculo melhora espontaneamente, após a eliminação do pus e tecido necrosado. Em seguida, ocorre a cicatrização do local lesionado.

É possível evitar o surgimento do furúnculo?
Quais as recomendações a serem adotadas?

1. Evitar usar roupas apertadas e produtos de higiene na pele que possam obstruir de alguma forma os poros.
2. Não se deve espremer a lesão de forma alguma, pois isso pode facilitar a chegada da bactéria na corrente sanguínea, disseminando, espalhando a infecção;
3. O cuidado com a higiene é muito importante. Deve-se manter a pele sempre limpa, e utilizar sempre roupas, toalhas e roupas íntimas bem lavadas.
4. Se o furúnculo se romper, evite tocar no pus expelido, e quando houver contato, lave muito bem as mãos e limpe a área da lesão para evitar outras contaminações.
5. Se não perceber uma melhora não utilize medicação por conta própria, sob risco de efeitos adversos ou de piora do quadro.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER: