Pular para o conteúdo principal

Bronquite

O que é bronquite?
Quando respiramos, nossos pulmões buscam o oxigênio do ar para que este chegue ao sangue, de onde irá oxigenar nossas células. No pulmão, existem os brônquios, que são canais que conduzem o ar inalado até os alvéolos pulmonares. Bronquite é a inflamação nos brônquios, e se instala quando os minúsculos cílios que revestem o interior dos brônquios deixam de eliminar o muco existente nas vias respiratórias, fazendo com haja uma acúmulo de secreções e com isso permanecem inflamados e contraídos.

A bronquite pode ser aguda ou crônica, e a diferença consiste na freqüência das crises, duração e agravidade. Quando são mais curtas, em torno de uma a duas semanas, temos a bronquite aguda.

No caso da bronquite crônica, os sintomas não somem, se agravam pela manhã, e as crises duram em torno de três meses ou mais por pelo menos dois anos seguidos.

Quais são as causas da bronquite?
A bronquite aguda normalmente é provocada por vírus. Mas, existem casos em que ela surge como resultado de uma infecção bacteriana. Fatores alergênicos do ambiente como:

• ar poluído,
• poeira,
• ácaros e
• produtos químicos como inseticidas e tintas, além dos ácaros podem desencadear uma crise.

O cigarro é um grande responsável pelo agravamento da doença.

A bronquite crônica potencializa o risco de outras infecções respiratórias, principalmente a pneumonia. A doença pode surgir com uma evolução da bronquite aguda, mas o principal causador é a fumaça do cigarro.

É uma doença comum entre os tabagistas, mas que é mais rara entre os não fumantes.

Quais os sintomas da bronquite?
Seja na forma aguda ou crônica da doença, o principal indicador da doença é a tosse. Na bronquite aguda a tosse se manifesta de forma seca ou com secreção. Na bronquite aguda, a tosse vem sempre acompanhada de secreção, sendo de aspecto claro no início e com a evolução da doença, a secreção torna-se amarelada e espessa. Falta de ar e chiado são sintomas característicos da doença.

Como é feito o diagnóstico?
Quando apresentar tosse persistente por mais de 10 dias, procure um clínico geral e passe por um exame clínico. Eventualmente, ele poderá pedir exames para confirmar seu diagnóstico. Poderá também encaminhá-lo a um pneumologista para tratar bronquite alérgica por exposição aos itens já citados (poeira e etc).
Como é feito o tratamento da bronquite?
A bronquite aguda tem curta duração, no máximo dez a quinze dias, e não existe um tratamento específico para agir nos episódios em que a doença é provocada por vírus. Recomenda-se uma hidratação adequada, o uso de analgésicos e descongestionantes e evitar o contato com fatores de risco como forma de prevenção da crise e alívio dos sintomas.

No caso da bronquite crônica, a principal recomendação é abandonar o tabagismo, quando fumante.

Deve se evitar ambientes onde exista fumaça de cigarro. Medicamentos somente devem ser utilizados após rigorosa avaliação médica.

Também pode ser necessário seguir uma investigação médica quanto à presença de alergias respiratórias que facilitem a inflamação dos brônquios. Nestes casos, geralmente há gripes freqüentes, sinusites e outros sintomas respiratórios que ocorrem com freqüência também.

Medidas saudáveis para prevenir problemas respiratórios:

• Deve ser beber sempre bastante liquídos (facilitando a expectoração e desentoxicando o organismo);
• As mãos devem ser lavadas sempre;
• O uso de máscara ou proteção deve ser adotado e se estiver sujeito a ambientes cujo ar possua elementos que possam causar irritação.
• É recomendável que se evite o contato com pessoas resfriadas, com gripe ou demais doenças que possam ser transmitidas por vias aéreas.
• A tosse com secreção não deve ser contida ou evitada, e deve se evitar sempre que possível permanecer muito tempo em ambientes com ar condicionado ou ar seco demais.
• Tenha o hábito de lavar as vias aéreas (o nariz) com soro fisiológico, ao menos 2 vezes ao dia, mesmo quando não estiver em crise alérgica, tosse ou bronquite.


Já consultou algum pneumologista em sua área?

Conhece algum otorrinolaringologista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa