Pular para o conteúdo principal

Chegou o Verão!


Como vai a sua pele?

Com a chegada do verão e o período de férias as praias do nosso litoral ficam lotadas. Passar dias inteiros na praia é o sonho realizado de quem trabalhou ou estudou (ou os dois) durante o ano todo. Nada mais agradável e relaxante.

Mas, o fato é que mesmo nas montanhas no verão, ou durante todo o resto do ano, temos que nos cuidar quanto à exposição ao sol. Hoje já se sabe dos malefícios da exposição sem proteção adequada. Isso vale para todos os tipos de pele, mesmo que as mais claras apresentem maior intensidade de efeitos imediatos e tardios do contato com o sol.

Os raios ultravioletas ultrapassam a camada externa da pele com muita facilidade, e provocam danos nas células e estruturas, podendo matar as células da pele. Mesmo as queimaduras moderadas, onde a pele fica avermelhada, destrói a camada superior da pele, semelhante a uma queimadura com ferro quente.

Em pessoas mais claras, os danos são maiores. Com o passar do tempo, podem surgir manchas marrons ou te mesmo câncer de pele. Além disso, a médio e longo prazo, os raios ultravioletas afetam a derme, que é a camada responsável pela textura, força e elasticidade da pele. Com isso, ela torna-se fraca, com pouca espessura (mais fina), enrugada e flácida.

Para se proteger dos raios solares, alguns hábitos devem sem adotados, em conjunto:

Evite pegar sol no horário de sol mais intenso, entre as 10h e 15h. O protetor solar deve ter no mínimo o FPS 15, que protege a maioria das pessoas por até 2 horas. O protetor deve ser aplicado 30 minutos antes da exposição ao sol, pois precisa deste prazo para começar a agir. Sempre que for à água, transpirar ou após 2h, reaplique o protetor solar. Quem trabalha exposto ao sol deve dar preferência a roupas de manga comprida, chapéus e óculos escuros com boa proteção contra os raios solares. E mesmo em dias nublados, o protetor solar não deve ser esquecido.

Quando exposto em excesso aos raios solares, o indivíduo pode ter uma insolação, que pode provocar até uma perda súbita de consciência, ou falha nos mecanismos que regulam a temperatura do corpo.

Os sintomas iniciais de uma insolação são dor de cabeça, tonteira e náusea. A pele fica com aspecto ressecado, e não transpira. Os batimentos cardíacos ficam acelerados, a temperatura corporal sobe e ocorrem alterações na visão.

A pessoa com insolação deve ser removida para um local fresco e ventilado, para que a temperatura do corpo diminua. Pode ser utilizado ventilador. Retire o excesso de roupas, coloque o paciente em repouso, com a cabeça elevada, e ofereça bastante água ou líquidos gelados. Pode molhar o paciente, e se possível, colocá-lo em uma banheira com água fria. Se necessário, procure um médico.

Agora que você já sabe todos os riscos e cuidados para se divertir sob o sol de verão e no resto do ano, aproveite as festas de final de ano, as férias, o verão brasileiro.

Consulte regularmente um dermatologista.

Aprenda a manter sua pele saudável e diminua os riscos de câncer de pele.

Quantos dermatologistas existem na sua área?



Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa