Pular para o conteúdo principal

Lombalgia: Você já teve?

O que é lombalgia?
A popular “dor nas costas”, lombalgia é o termo que usamos para nomear a dor que surge na região lombar da coluna vertebral.

A origem da dor pode ter várias causas, requerendo portanto, uma investigação apurada e criteriosa. É um sintoma bastante freqüente, entre os distúrbios de dor mais comum perdendo apenas para a cefaléia.

Até 70% dos indivíduos acima dos 40 anos possuem algum tipo de problema na coluna, e atinge entre 80% a 90% da população acima de 50 anos. As crises de dor nas costas são a causa mais freqüente de ausências no trabalho em países desenvolvidos, criando além de um problema médico, um problema econômico.

Quais os sintomas de uma crise de lombalgia?
O indíviduo sente uma dor que se localiza na região lombar da coluna vertebral. Pode ter várias causas, inclusive associada ao estar excesso de peso (e nesse caso a dor pode permanecer enquanto existir esse excesso).

Quando provocada devido à má postura, exercícios de levantamento de peso em excesso, feitos de forma incorreta ou por longo período, a dor pode se manifestar imediatamente ou após algumas horas.

Dependendo das áreas atingidas como ossos, músculos, articulações ou nervos, a dor pode se modificar um pouco. Inclusive, podendo se irradiar, sendo sentida nas nádegas ou coxas,em especial, no caso de haver compressão das terminações nervosas.

Em termos gerais, quando ocorre a lombalgia esta pode ser mais intensa até o terceiro dia, e diminuindo a intensidade com o passar dos dias ou pode acontecer da dor se manter com a mesma intensidade durante um longo período, sendo no primeiro caso uma causa aguda (distensão muscular ou trauma) e no segundo, uma causa crônica ( hérnia de disco, por exemplo).

Como é feito o diagnóstico da lombalgia?
Como já foi dito, a lombalgia é um sintoma e por isso são poucos os casos em que é possível dar um diagnóstico preciso numa primeira avaliação. Estudos indicam que cerca de 40% dos pacientes com lombalgia acreditam estar com alguma enfermidade mais grave, o que pode dificultar o diagnóstico e tratamento adequado.

Durante o exame clínico a ser realizado pelo médico, ele irá apalpar os grupos musculares próximos à coluna vertebral para tentar identificar locais onde a dor ser manifesta.

O paciente pode apresentar dificuldade em flexionar o tronco em direção aos joelhos estendidos, aumento da dor no final do dia, ao final de um dia de trabalho, e os sintomas podem se agravar com movimentação em excesso ou até condições de estresse emocional.

Qual o tratamento para a lombalgia?
Inicialmente, é comum o médico recomendar repouso, medicamentos para dor e sessões de fisioterapia, além de exercícios. O repouso não costuma exceder 3 dias e é indicado em casos onde ocorre forte dor e espasmo da musculatura. Retomar a movimentação normal e a atividade física é importante para uma recuperação.

Se a dor for de pouca ou média intensidade, o ideal é que sejam mantidas as atividades diárias.
Compressas de gelo e calor alternados auxiliam no relaxamento dos músculos e reduzem o processo inflamatório.

Em casos de compressão nervosa e dor recorrente o acompanhamento com acupunturista pode ser bastante benéfico.

Passada a “crise” é importante a prática de atividades físicas, para fortalecimento muscular, correção postural e prevenção de novas crises. Exercícios de alongamento também são muito úteis não apenas para o tratamento, também para a prevenção da lombalgia.

Encontre um ortopedista em 2 cliques no HelpSaúde.

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do