Pular para o conteúdo principal

Dengue

O que é dengue?

A dengue é uma doença infecciosa, causada por um arbovírus, e ocorrem principalmente nos países subtropicais e tropicais do mundo. As epidemias são mais comuns o verão, durante ou após os períodos de grande incidência de chuvas.

Quantos tipos de dengue existem? Quais os riscos em cada uma?

Existem 4 tipos de vírus da dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3, DEN-4. Todos os 4 vírus provocam os mesmos tipos de sintomas, mas em alguns pacientes a doença pode evoluir, normalmente após o 5° dia, para o tipo mais grave da doença, que é a dengue hemorrágica.

Como se pega dengue?

A doença é transmitida apenas pela picada do mosquito Aedes aegypti. Cada pessoa pode contrair a doença de um determinado vírus uma única vez, ou seja: se for infectada pelo vírus tipo DEN-2, não ficará doente se for infectada novamente por este mesmo vírus. Embora todos as 4 tipos de vírus causem os mesmos sintomas, o tipo DEN-4 tem causado preocupação por ser uma variação nova do vírus, o que significa que existem poucas pessoas imunes a ele.

Como evitar a contaminação e como ajudar a evitar a epidemia?

A principal forma de evitar a contaminação ainda é a prevenção. Mantenha caixas d´água e reservatórios sempre muito bem tampados. Evite o acúmulo de água parada nos vasos de plantas. Não deixe recipientes como garrafas, vasilhas ou qualquer outra coisa que possa armazenar água expostos à chuva. Mesmo pequenos objetos como tampas de garrafa ou sacos plásticos podem acumular água suficiente para que o mosquito deposite seus ovos, então mantenha o quintal sempre limpo. Lave as bordas dos vasos de plantas e recipientes de água e comida dos animais de estimação, para eliminar possíveis larvas do mosquito.

Você já teve dengue? Quais os riscos de uma segunda infecção?

Quem já teve dengue pode contrair a doença pela segunda, e neste caso os riscos aumentam, com a dengue ocorrendo de forma mais grave e intensa, podendo evoluir para dengue hemorrágica ou choque por dengue, que são mais comuns em casos de segunda infecção.

Neste caso, procure rapidamente seu médico diante dos sintomas de dengue, mesmo que pareçam apenas uma gripe forte.

Como a Dengue tem afetado a população carioca?

O medo de uma nova epidemia assusta a população. O número de casos registrados no estado em 2011 vem caindo, porém já houveram 130 mortes em decorrência da doença. Por ser uma doença que é transmitida pelo mosquito (Aedes Aegypti), torna se fácil contrair a doença, e difícil o controle, já que o mosquito pode se desenvolver em qualquer lugar que ofereça as condições que ele precisa: água parada e limpa. Felizmente, a população tem participado ativamente do combate ao mosquito, cuidando para que não hajam possíveis criadouros de mosquitos em suas casas, e o governo tem promovido programas contínuos para evitar o avanço da doença.

Como a Dengue tem afetado o Brasil? Quais os estados mais afetados?

As características climáticas do Brasil, clima tropical, com muitas chuvas e temperaturas elevadas, oferecem um ambiente propício ao desenvolvimento da doença.

Os estados mais afetados são Rio de Janeiro, São Paulo, Amazonas, Ceará, Paraná, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, que juntos concentram 75% dos casos registrados no país.

Todo ano, são investidos centenas de milhões de reais através dos Governos Estaduais em programas de prevenção e combate à doença e também em ações de esclarecimento e conscientização da população para que aprendam a combatê-la.

O grande número de casos da doença também implica em aumento de casos de internaçã, leitos ocupados na rede pública de saúde e geram grandes despesas do dinheiro público que podem ser evitados com as medidas já descritas.


Quais as medidas mais eficazes até hoje para evitar a contaminação?

Programas de prevenção realizados durante todo o ano e não somente durante o verão e períodos de aumento de chuvas, que é quando normalmente ocorre o pico da doença. Ações de conscientização da população, incentivando a vigiarem e evitarem a ocorrência de possíveis criadouros de mosquitos em suas casas, tem se mostrado muito eficiente no combate à dengue.

O quê você pode fazer para evitar a contaminação na sua casa, no seu trabalho e no seu bairro?

- manter sempre o quintal limpo, eliminando o que não for necessário, como tampinhas de garrafa, folhas ou plásticos que possam acumular água;
- remover a água acumulada nos vasos de plantas;
- armazenar garrafas vazias sempre de cabeça para baixo;
- tonéis, caixas d´água e reservatórios devem ser mantidos sempre bem tampados, assim como qualquer recipiente que possa armazenar água;
- escovar bem bordas de recipientes como vasilhas de água e comida de animais de estimação, vasos de planta e etc, para que sejam removidas possíveis larvas do mosquito transmissor.

Sugira medidas para evitar a contaminação!

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa