Pular para o conteúdo principal

COMERMORAR

Então chegaram as festas. É época de esquecer tudo que foi chato, triste ou difícil e comemorar!

Interessante como algumas pessoas conjugam este verbo: comermorar...

Há muito tempo atrás, as festas de fim de ano, na Europa, por exemplo, tinham um significado a mais. A refeição farta, colorida que ainda servimos, com algumas adaptações, também significava o sucesso da colheita e a sobrevivência às intempéries.

Não temos mais estes problemas, certo? A fartura agora é puro luxo. Regozijo inclusive de estarmos juntos no dia seguinte para comer as sobras, que já fazem parte do dia 26 de dezembro.

É sempre reconfortante cozinhar, servir, comer os mesmos pratos que são feitos na família há gerações. Não é exatamente uma época de surpresas, ao menos para os adultos (as crianças esperam seus presentes e geralmente nem se preocupam com a comida).

E o que pode haver de errado nisso?!

Pois é, épocas de excessos de massas, álcool e açúcar são estatisticamente momentos de picos de surgimento de diabetes tipo I ou II. Também de crises de vesícula, coma alcoólico, crises renais, intoxicações alimentares e hepatites alcoólicas surgindo até três semanas a seguir. Por que isso? Excessos, que poderíamos ter facilmente evitado.

MEDIDAS SIMPLES QUE TORNAM ESTES MOMENTOS MAIS LEVES

• Beber bastante líquido (água, sucos, água de côco, mate) no dia anterior, no dia de natal, ou ano novo e no dia seguinte;
• Caminhar ou nadar 30 minutos ao menos, nesses dias;
• Adicionar um bom prato de salada (coloque frutas frescas ou secas, também castanhas) colorida e fresca antes do prato principal;
• Tempere suas saladas com molho de iogurte ou iogurte com maionese (3 de iogurte para 1 de maionese) e use limão ou vinagre de arroz para turbinar a digestão;
• Evite abusar de álcool, escolha vinho branco e champagne ou similar;
• Imagine o que costuma servir de massa nessa refeição e corte pela metade.
• Coma sem pressa, saboreando toda explosão de sabores que só encontramos esta época do ano (boa parte dos excessos vem de não nos darmos conta do quanto estamos comendo durante a refeição).

Afinal, de onde vem toda essa euforia à mesa?

A Euforia vem de termos chegado até aqui novamente. Cada ano com conquistas e perdas, mas com a satisfação de termos retornado a este momento. Estão todos em suas melhores roupas, cheirosos, arrumados, reunidos para mais esta confraternização especial.

Em meio a tantos preparativos: a decoração, as músicas, os presentes, a reunião das pessoas, dispostas a se confraternizar, a comida é mais uma das delícias destes momentos especiais.

Vamos, então, saborear. Demorar um pouco mais nas garfadas, mas também nos abraços, nas conversas, nas danças (dançar ajuda muito na digestão!). Vamos fazer uma pausa entre os petiscos, a refeição e a sobremesa. Não se esqueça de conversar com todos, tenha mais calma.

Há sempre aqueles parentes que só vemos nessa época do ano. Que será que trazem de novidades. Compartilhar é o lema.

Ah, não se esqueça também que dormir logo após comer é receita certa para uma má digestão. Demore mais umas duas horas com a sua família e amigos. Divirta-se!!!


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa