Pular para o conteúdo principal

Dermatite atópica

O que é dermatite atópica?
Doença inflamatória crônica que ocorre na pele e causa o surgimento de lesões e coceira. A doença também é conhecida como eczema atópico. Em geral, pode afetar indivíduos com histórico familiar de asma, rinite alérgica ou dermatite. A doença é hereditária, e não é contagiosa.

Uma criança em que pelo menos um de seus pais seja asmático, apresente rinite alérgica ou a própria dermatite atópica, possue 25% de chances de vir a apresentar a doença. No caso de ambos os pais possuírem uma das doenças, as suas chances dobram(50%).

Ainda não se conhecem as causa exatas da dermatite atópica. Certas condições como a convivência com algumas substâncias (poeira, conservantes,certos produtos de limpeza), determinados tipos de tecido, frio severo, ar seco, calor, transpiração e estresse podem iniciar uma crise.

É uma doença comum, que ocorre em todo mundo, principalmente nas grandes cidades. Estudos indicam que os casos registrados têm aumentado nas últimas décadas. Desta forma, entre 10% a 15% da população poderão apresentar a doença em algum momento durante a vida.

Quais são os sintomas da dermatite atópica?
A pele apresenta placas avermelhadas, com muita coceira no local, e que podem apresentar descamação. A transpiração (suor) no local das lesões aumenta a coceira, e as lesões podem apresentar feridas. Quando ocorrem em crianças, as lesões surgem no rosto, tronco e membros.
Em crianças mais velhas e em adultos, as lesões tendem a se localizar nas dobras como pescoço, cotovelo e joelho. Há, raramente, casos mais graves em que a dermatite atópica se espalha por todo o corpo.

A dermatite atópica costuma ocorrer no primeiro ano de vida, e em cerca de 60% dos casos. A criança afetada, então, apresenta redução na incidência das lesões ou mesmo o desaparecimento completo da doença até o 5 anos de idade.

Como é feito o diagnóstico da dermatite atópica?
O diagnóstico é feito pelo exame médico realizado por um dermatologista.

O que esperar do tratamento da dermatite atópica?
A partir do exame das lesões, o dermatologista poderá escolher que tipo de tratamento é o ideal para o paciente. Em termos gerais, são usados cremes ou pomadas nos locais das lesões.
Estes irão agir na irritação, hidratar a pele e prevenir ou tratar infecções bacterianas que se coloquem sobre as lesões.

Quais as recomendações devem ser seguidas?
1. A pele seca é um importante fator para a piora da dermatite atópica. Então, durante o banho, deve se evitar a água muito quente.
2. O banho deve ser rápido, minimizando o uso do sabonete e buchas ou esponjas de banho. Deve-se usar um hidratante neutro, dê preferência ao recomendado pelo médico, imediatamente ao sair do banho, para aproveitar a umidade que ainda se encontra na pele.
3. Mudanças bruscas de temperatura devem ser evitadas, sempre que possível.
4. Durante a prática de exercícios físicos, a transpiração pode causar uma leve irritação e aumento da coceira. Não é contra-indicada a prática de exercícios, mas a natação tende a ser a mais recomendada, e após a prática, deve se retirar todo o cloro da pele durante o banho.
5. Prefira roupas de algodão, e evite as de tecido sintético ou lã que retém o suor e impedem a ventilação.


Precisando de algum dermatologista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.

Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

  1. Sou portador desta irritante e incomoda patologia dermatológica, que alguns esculápios, encaminham aos angiologistas, sob a alegação de serem também oriundas da circulação periférica, e venosa, onde micro varizes, impedem a devida circulação .
    Porto também Rinite alérgica por hereditariedade.
    Foi prescrito a formula (cetoconazol, dexametasona+neomicina) Que resolve parcialmente.
    Fugindo aos perigos dos cort-coids, Consegui controlar o terrível prurido, com uma alquimia Caseira .
    Creme hidratante com sebo de carneiro+mel+Azeite de Oliva+umas gotas de menta .
    E passei a usar Meias de Futebol .Para amenizar as manchas vermelhas, adiciono nas minhas refeições Passas de Uva .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa