Pular para o conteúdo principal

A Importância das Fibras na Alimentação

O aumento expressivo do consumo de alimentos industrializados, gordurosos e calóricos é responsável pelo aumento preocupante da obesidade na população brasileira, principalmente entre crianças e adolescentes. A obesidade por sua vez está associada a uma série de outras doenças graves como a hipertensão arterial, diabetes e doenças cardiovasculares, o que torna uma dieta balanceada e rica em fibras de fundamental importância para a redução do colesterol, controle da glicemia e prevenção da obesidade.

As fibras são classificadas de acordo com a composição e efeito fisiológico, em solúveis e insolúveis. As fibras solúveis encontradas em frutas, verduras e cereais, desempenham papel importante no controle da glicemia e redução do colesterol ruim, já que quando ingeridas absorvem muita água e tornam-se viscosas, retardando o esvaziamento gástrico, proporcionando maior saciedade, e assim, atuando na redução da absorção de glicose e gordura. Ao retardarem a velocidade de absorção dos carboidratos, reduzindo a glicemia pós-prandial e evitando elevações repentinas dos níveis de açúcar no sangue, as fibras solúveis também tornam-se essenciais no cardápio do diabético.

As fibras insolúveis captam pouca água e não se dissolvem, atuando na formação do bolo fecal e melhora do trânsito intestinal. Podem ser encontradas na linhaça, gergelim, amêndoas, farelo de trigo, arroz integral, e são indicadas na prevenção da constipação intestinal, do câncer de cólon, hemorróidas e diverticulites.

A recomendação para o consumo diário de fibras é de 25g a 30g para adultos saudáveis. De acordo com a Fundação Americana de Saúde e a Academia Pediátrica Norte Americana, a recomendação do consumo de fibras para crianças deve obedecer um cálculo que é feito acrescentando-se de 5-10 g à idade da criança. Por exemplo: uma criança com 6 anos deveria consumir diariamente de 11 a 16 g de fibra/dia. Para crianças menores de 2 anos não há recomendação, considerando-se que o aleitamento materno deve ser exclusivo até os 6 meses e, após, essa idade, uma alimentação complementar contendo frutas, verduras e legumes deve ser introduzida gradualmente. A baixa ingestão de fibras é comum entre idosos, principalmente por causa da dificuldade de mastigação e deglutição. Segundo a DRI (Dietary Reference Intakes), a ingestão adequada de fibras alimentares para homens a partir dos 51 anos é de 30g/dia e para mulheres da mesma faixa etária é de 21g diárias.

Quando consumidas em excesso as fibras podem alterar o bom funcionamento do intestino provocando gases, distensão abdominal, diarréia e constipação. Esse excesso no consumo de fibras também pode interferir na absorção intestinal de alguns minerais como cálcio, ferro, zinco e magnésio.

Os distúrbios pela falta ou excesso de fibras na alimentação exercem impacto negativo na qualidade de vida e somente uma dieta equilibrada que inclua frutas, verduras, legumes, cereais integrais e leguminosas é capaz de oferecer um bom aporte de fibras. O ideal é que tanto a ingestão diária quanto a suplementação de fibras seja orientada por um profissional nutricionista mediante a prescrição de um plano alimentar individualizado.

Dicas para aumentar o consumo de fibras:

• Consuma verduras e legumes crus ou cozidos no vapor.
• Inclua cereais integrais diariamente na sua alimentação.
• Crie o hábito de ler o rótulo com a composição nutricional dos produtos e escolha alimentos que tiverem maior teor de fibras.
• Não descasque frutas que podem ser consumidas com casca.
• Evite picar e/ou liquidificar frutas e verduras, permitindo assim que as fibras fiquem intactas.

Fonte: Renata Ribeiro. CRN: RJ 11100598

Nutricionista cadastrada no Help Saúde.


Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do