Pular para o conteúdo principal

Cistite


O que é cistite?

É dado o nome de cistite às doenças inflamatórias ou infecciosas da bexiga.

Mais frequentemente causada por uma bactéria, a Escherichia coli, característica do trato digestivo. Ocorre mais frequentemente nas mulheres. Isto se dá devido a questões anatômicas: A uretra feminina é mais curta, dando acesso mais rápido às bactérias. A presença destas no trato urinário pode causar infecção na uretra (uretrite), na bexiga (cistite) e conseguir continuar migrando no trato urinário, pode atingir os rins (pielonefrite).

A cistite pode afetar homens, mulheres e crianças, mas é bem mais comum nas mulheres. Assim, uma em cada duas mulheres terá cistite durante a vida, e mulheres em atividade sexual terão pelo menos uma ocorrência de cistite a cada dois anos.
Nos homens com mais de 50 anos, o aumento no tamanho da próstata, que pode causar retenção de urina na bexiga, também pode levar ao surgimento da cistite.

Quais são os sintomas da cistite?

A pessoa com cistite sente a necessidade urinar com freqüência, porém cada micção, a quantidade de urina expelida é bem pouca, e durante a micção, pode haver dor ao urinar. Dores na bexiga, nas costas e no ventre inferior também ocorrem. O paciente pode apresentar febre, e em casos mais graves, sangue junto com a urina.

Como é feito o diagnóstico da cistite?

Em caso de suspeita de cistite, o médico irá analisar o histórico clínico do paciente e os sintomas relatados. Costumeiramente será solicitado o exame de urina. Pode ser ainda necessário fazer-se uma urocultura com antibiograma, para que seja identificado o agente causador da infecção e se determinar o tratamento mais adequado.

Como é o tratamento da cistite?

A cistite infecciosa requer tratamento medicamentoso, com uso de antibióticos ou quimioterápicos que serão escolhidos de acordo com a bactéria identificada nos exames laboratoriais.

Nas mulheres, os episódios de reincidência da doença podem ser freqüentes e com gravidade, mas, quando o tratamento é seguido corretamente, as chances de cura são muito altas.
Para isso, é necessário que todas as recomendações médicas com relação ao tratamento sejam seguidas rigidamente, mesmo que os sintomas da doença não estejam mais ocorrendo.

Quais os cuidados para se evitar a cistite?

1. Deve se beber muita água, pois o líquido ajuda na eliminação das bactérias da bexiga.
2. É importante não reter a urina, deve-se urinar com freqüência. Reter por longos períodos é prejudicial à saúde
3. . Urinar imediatamente após as relações sexuais também ajuda na eliminação de bactérias que se encontrem no trato urinário.
4. Os cuidados com a higiene pessoal devem ser rigorosos. As regiões da vagina e do ânus devem ser muito bem limpas. (após evacuar, use o papel higiênico sempre passado da frente para trás, a fim de evitar trazer para a vagina as bactérias que estejam no ânus. O ideal é, sempre que possível, lavar o local com água e sabão.
5. Deve se evitar o uso de roupas íntimas muito justas e apertadas, ou que possam reter calor e umidade, pois estas são as condições ideais para a proliferação de bactérias.
6. Deve-se ainda reduzir ou até evitar o consumo de bebidas alcoólicas, fumo, temperos fortes e cafeína, pois essas substâncias provocam irritação no trato urinário.
7. Durante a menstruação, o absorvente higiênico deve ser trocado com freqüência, para evitar a ocorrência de bactérias.

Fonte: Editoria HelpSaúde.







Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa