Pular para o conteúdo principal

Exame de DNA

O que é DNA?
DNA é a sigla em inglês para ácido desoxirribonucléico (em português, ADN). Trata-se de um composto orgânico. Suas moléculas contêm informações vitais que passam de uma geração à outra. O DNA coordena a fabricação das células, assim como a de outros componentes das células, como as proteínas.

O DNA possui todas as informações de suas características físicas, que são essencialmente determinadas pelas proteínas. No DNA cada proteína possui um gene, que é uma seqüência de nucleotídeos específicos e que determinam como uma proteína será feita.

Para que serve o exame de DNA?
O DNA além de definir as características físicas de um indivíduo, também funciona como uma “impressão digital”. Através dele é possível dizer quem somos, em casos em que seja necessária a identificação, ou a nossa origem, quando for preciso esclarecer dúvidas sobre a paternidade ou parentesco.

Como são feitos os testes de paternidade?

Para testes de paternidade, a forma mais usada para se obter o DNA é através da coleta de material sanguíneo da mãe, da criança e do provável pai. O exame também pode ser usado para esclarecer eventuais dúvidas quanto à “maternidade”.

Qualquer material biológico pode ser usado, mas a amostra de sangue é o mais comum, por fornecer uma maior quantidade de DNA.

Geralmente, não é necessário colher amostra de sangue direto de uma veia. Bastando a coleta de uma pequena amostra pode-se obter a identificação do material genético através de uma única gota de sangue. Para isso, basta usar-se uma lanceta (agulha com ponta em forma de calha) e espetar a ponta do dedo indicador, por exemplo.

É possível obter-se, então, um resultado de paternidade, quando for o caso, com o mesmo mínimo esforço com que se faz a tipagem sangüínea ou a medição da taxa de glicose, em diabéticos. Outra boa alternativa é a saliva. Usa-se uma espécie de cotonete grande para obter-se um esfregaço da face interna da bochecha e assim obter uma boa amostra de células do indivíduo.

No laboratório, os técnicos utilizam substâncias que rompem as membranas celulares, e coletam o material genético que existem nelas. Em seguida, o DNA passa por um processo que aumenta a quantidade nas amostras, uma espécie de “amplificação”. Para que o teste de DNA seja realizado, são analisados de 13 a 19 trechos do DNA. Esses trechos são únicos, não se repetindo em outras pessoas.

O exame envolve probabilidades, portanto não é possível determinar com 100% de certeza, mas o índice de precisão pode chegar a 99,999%. Além de definir paternidade, o exame também é importante na identificação de corpos, quando ficam irreconhecíveis, impossibilitando o reconhecimento visual. Neste caso, são convocados possíveis familiares, recolhido material genético e então é realizado o exame de DNA.

O exame pode ser realizado em todo tipo de pessoas. A ingestão de medicamentos, o uso de drogas ou o consumo de bebidas alcoólicas não provoca nenhum tipo de alteração nos resultados do exame de DNA.

A coleta de material para o exame é tão simples que para sua realização não é necessário estar em jejum, ao contrário de outros exames de sangue mais comuns.

O exame de DNA pode ser feito em qualquer idade, inclusive recém-nascidos, podendo ser feita a coleta de sangue durante o parto ou retirado do cordão umbilical.

Conhece algum de laboratório de patologia em sua cidade?

Conhece algum geneticista em sua cidade?

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

A riqueza do conhecimento compartilhado na prática médica moderna

Vamos discorrer sobre termos essenciais para a Gestão do Conhecimento (GC). Derivando definições da área de Informática, podemos afirmar que dado é sequência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, um texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados, já que o alfabeto por si só constitui uma base numérica. De forma semelhante, sons e imagens também são dados. A partir do momento em que os dados podem ser organizados de forma lógica e inteligível, podemos chamá-los de informação. Quando a informação pode ser aplicada a qualquer situação em que seja necessária uma tomada de decisão, nós temos o conhecimento. Em outras palavras, conhecimento é a informação útil ou aquela que carrega um propósito. O conhecimento médico sempre foi uma combinação entre arte e ciência, sendo tradicionalmente relegado a pesquisadores a busca pelos avanços e, aos médicos praticantes, a arte de aplicar o conhecimento e se relacionar com o paciente. Entretanto, em nosso tempo,

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa