Pular para o conteúdo principal

Dia do Podólogo - 4 de Dezembro

Esta data foi instituída através do Projeto de Lei 6042/2005, em homenagem ao Podólogo Lacy de Azevedo, fundador e 1º Presidente da Associação Brasileira de Podólogos, em 04 de dezembro de 1964.

HÁ QUANTO TEMPO VOCÊ NÃO VISITA UM PODÓLOGO?

Calos, unhas encravadas, danificadas, micoses? Todas as pessoas deveria procurar um podólogo regularmente, pois ele é o profissional da saúde capacitado cientificamente para analisar, investigar, prevenir e tratar patologias dos pés, atuando também na estética.

PODOLOGIA

O termo Podologia origina-se do grego arcaico tendo por prefixo Podos = Pé, Pés e sufixo Logos = tratado, estudo, conhecimento. Formando então Podologia: nome da ciência que trata do estudo dos pés. Podologista/podiatra - termo obviamente com as mesmas origens que designa a pessoa que aplica terapia nos pés, com estudo superior ou técnico - científico adequado em Podologia, aprofundado da anatomia, fisiologia, podopatias e conhecimento biomecânico dos pés.

FIQUE ATENTO:

DIFERENÇA ENTRE PEDICURE E PODÓLOGO:
O podólogo cuida da saúde do tornozelo e pés, na anatomia e patologia. Pode atuar tanto em problemas mais simples, como o manejo de calos e unhas encravadas até em alterações posturais. É capacitado para realizar análise clínica da marcha e confeccionar palmilhas e órteses de correção postural, quando necessário.

Os instrumentos que utiliza durante a prática recebem os mesmos cuidados que são aplicados ao material hospitalar. Para exercer sua atividade, segue um termo de responsabilidade, assim como médicos e dentistas e embora não possa prescrever medicamentos, pode usá-los durante os seus procedimentos, quando entender que é necessário.

Problemas mais comuns em que o podólogo atua:

• Unhas encravadas;
• Infecções de pele e unhas dos pés calos;
• Fissuras e rachaduras (da pele dos pés);
• Bolhas e úlceras micóticas (por fungos);
• Podem tratar problemas na sola dos pés;
• Higienizar e tratar unhas danificadas;
• Orientar pacientes sobre medidas preventivas.

IMPORTANTE AUXÍLIO NO TRATAMENTO DOS DIABÉTICOS

Estima-se que haja, pelo menos, 300 milhões de pessoas com diabetes em todo o mundo, e no Brasil, são cerca de 11 milhões de portadores, segundo dados do Ministério da Saúde e de sociedades médicas.

O podólogo é o profissional que pode auxiliar, entre outros, o tratamento dos pés dos DIABÉTICOS, fazendo a prevenção para que não surjam feridas e reduzir a incidência de problemas graves nos pés que podem levar à amputação dos membros inferiores (pernas ou parte, como também parte os pés) devido à difícil cicatrização das feridas nos órgãos inferiores, pois o portador de DIABETES sofre um efeito debilitante nas extremidades que podem, eventualmente, desenvolver úlceras (feridas) de difícil cicatrização. Tais úlceras, se infectadas podem levar à amputação e à morte. Aproximadamente 50% das amputações não traumáticas ocorrem em diabéticos.

Portanto, a visita frequente ao Podólogo pode ser um grande aliado ao tratamento da DIABETE.

Estima-se que haja, pelo menos, 300 milhões de pessoas com diabetes em todo o mundo, e no Brasil, são cerca de 11 milhões de portadores, segundo dados do Ministério da Saúde e de sociedades médicas.

PARA TER PÉS BONITOS, SEM PATOLOGIAS PROCURE UM PODÓLOGO!

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Malformações Vasculares do Cérebro

1. Introdução As malformações vasculares cerebrais são anomalias na formação dos vasos sanguíneos do cérebro e que podem levar a acidentes vasculares ou epilepsia.  2. Classificação em tipos Os diversos tipos de malformações vasculares cerebrais apresentam diferentes quadros clinicos, ou seja, sintomas e sinais de sua existência, assim como características típicas em exames de imagens, como ressonância magnética cerebral. Devem, portanto, ser analisadas separadamente. A classificação mais usada na literature médica divide as malformações vasculares cerebrais em quatro tipos: • Malformações artério-venosas ou mais conhecidas como MAV. • As malformações cavernosas cerebrais ou cavernomas (ou, também chamados angiomas cavernosos). • As malformações venosas (ou angiomas venosos). • As telangiectasias. 2.1. Malformações artériovenosas cerebrais (MAVs) Embora não seja o tipo mais comum de malformação vascular do cérebro, pode manifestar-se em pacientes jovens, sendo causa

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do