Pular para o conteúdo principal

Dia do Fonoaudiólogo - 9 de Dezembro

Origem da data
Fonoaudiologia não é uma palavra complicada de se dizer. Ao contrário, ela descomplica! Fono significa Som, Audio significa Audição e Logo(ia) significa Conhecimento: som, audição e conhecimento nos integram ao mundo.
No Brasil, a profissão de FONOAUDIÓLOGO foi regulamentada em 09 de dezembro de 1981 e é por esta razão que nesta data comemora-se o Dia do Fonoaudiólogo, o profissional que cuida das nossas dificuldades de comunicação.

Curiosidade Histórica
O criador da Fonoaudiologia foi o grande orador e político grego Demóstenes (384 A.C – 322 A.C), que alimentou a esperança de ser um grande orador na infância e a gagueira o impedia. Com uma técnica intuitiva e de arte, colocava seixos na boca para melhor articular a sua gagueira. À força e perseverança, declamando poemas nas praias gregas, venceu o problema da gagueira. Assim, transformou-se em um dos maiores oradores que Atenas já ouviu em toda a história.
Hoje, a fonoaudiologia é estudada em 32 países, sendo o seu fato, a Linguagem Patológica, pesquisada cientificamente.

O que é fonoaudiologia?
É o estudo dos distúrbios da linguagem e trata a comunicação humana no que se refere ao seu desenvolvimento, aperfeiçoamento, distúrbios e diferenças. O fonoaudiólogo trata não só a fala e correção dos movimentos produzidos pelo movimento da face e da boca, na ação de mastigar e engolir, como também a leitura, escrita e a audição. Seu objetivo é o desenvolvimento e aperfeiçoamento da comunicação.
O curso de Fonoaudiologia tem duração de quatro anos contendo as disciplinas básicas das áreas de Medicina, Psicologia e matérias específicas de Física, Fonética e Lingüistica.


Qual a atuação do fonoaudiólogo?
Auxilia e cuida de profissionais que dependem da voz, como professores, políticos, locutores, artistas. Trata distúrbios da fala, como a popular “gagueira”, dislexia, problemas comalfabetização, comunicação de deficientes auditivos. Cuida de crianças com atraso ou deficiência na fala, e pacientes que por algum motivo perderam a capacidade de se expressar verbalmente. Atua também no trato com a voz, seja de forma a tratar problemas ou doenças ou também para aperfeiçoá-la.
De acordo com o Conselho Federal de Fonoaudiologia, as especialidades Audiologia, Linguagem, Motricidade Orofacial, Saúde Coletiva, Educacional e Voz fazem parte da área de atuação do profissional.
O fonoaudiólogo é um profissional da saúde e atua em pesquisa, prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento. Este profissional tem autonomia para atuar sozinho ou em conjunto com outros profissionais de saúde em clínicas, creches, escolas (comuns e especiais) e comunidades, incluindo o Programa de Saúde da Família, unidades básicas de saúde, hospitais, emissoras de rádio e televisão, teatro, atendimento domiciliar, empresas de próteses auditivas, indústrias, centros de reabilitação, ausência de fluência e clareza na fala.

Quando você deve procurar um fonoaudiólogo?
É fundamental buscar a ajuda profissional quando apresentar dificuldade de aprendizagem na leitura e escrita, rouquidão frequente, trocas na fala (troca o som do v pelo som do f), disfluência na fala (gagueira), dislexia, dificuldades auditivas e dificuldades de engolir, é sintomas mais frequentes.

E muita atenção com seus filhos!
Você deve solicitar ao seu pediatra que encaminhe seu bebê recém-nascido a um fonoaudiólogo especialista em audiologia para a avaliação da capacidade auditiva nos primeiros dias de vida e repetir o exame ao completar 1 ano de idade. Ao entrar em idade escolar, ou quando apresentar quaisquer sintomas como dor, sensação de ouvido tapado, tonturas, zumbidos (chiado), estalos, e dificuldades para ouvir, não hesite: procure o fonoaudiólogo.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do