Pular para o conteúdo principal

Pré-Natal

A Gestação é um fenômeno natural da biologia feminina. Corre naturalmente desde a fecundação até o nascimento.

No entanto, a fim de garantir o melhor desenvolvimento e a saúde e qualidade de vida materna, foram desenvolvidos protocolos de acompanhamento das etapas da gestação.

A esta série de consultas, exames, orientações e cuidados convencionou-se chamar PRÉ NATAL.

Então, mesmo quando a gravidez não foi planejada ela precisa ser bem acompanhada.

Há especial cuidado com as mães diabéticas, hipertensas, bipolares, ou seja, com aquelas que já apresentam alguma doença crônica, mesmo que controlada.

Também recebem atenção especial as primíparas( mães pela primeira vez) acima de 35anos e as com deficiência mental.

O que é pré-natal? Qual sua importância?

O pré-natal consiste em consultas e acompanhamento de Ginecologista e de Enfermagem desde a descoberta da gravidez até o nascimento.

O objetivo é acompanhar o crescimento, monitorar a saúde do bebê e da gestante, e identificar precocemente doenças ou anomalias que possam prejudicar a saúde de ambos.

Alguns outros profissionais podem compor esta equipe para garantir o suporte necessário em alguns casos. Assim, pode ser necessário o acompanhamento da grávida por um Nutricionista, Cardiologista, Endocrinologista, Psiquiatra, Psicólogo, entre outros, e de acordo com cada caso.

Como seguir corretamente o pré-natal?

Assim que for feita a confirmação da gravidez, a gestante deve escolher um médico e iniciar o pré-natal. Serão solicitados exames como:

• Hemograma completo,
• glicemia,
• tipagem sanguínea,
• urina,
• papanicolau,
• exames para detectar toxoplasmose, rubéola, sífilis, hepatite B e AIDS, entre outros.

Será acompanhado também o ganho de peso da gestante (não deve ultrapassar 12kg) e a glicemia, entre outros parâmetros, pelo risco de afetar a saúde da mãe e do bebê.

Serão passadas também informações sobre cuidados com alimentação, posturas e posições confortáveis, cuidados com os seios e preparação para a amamentação e muito mais.

Como esta a mulher brasileira em relação ao pré-natal?

Estatísticas de quantas grávidas fazem corretamente o PRÉ NATAL

Em pesquisa realizada pelo IBGE em 2010, foi constatado que 57,1% das crianças que nasceram passaram por 7 ou mais consultas durante o pré-natal. Na mesma pesquisa, revelou-se que a cada dez bebês, quatro não receberam o acompanhamento da forma ideal.

O estado com pior índice foi o Maranhão, com apenas 24% dos nascimentos com pré-natal realizado de forma correta, e o Paraná com o índice mais alto de acompanhamentos, com 77%.

Outras pesquisas indicaram que dentre o grupo com acompanhamento pré-natal incorreto, prevalecem as mães adolescentes e mulheres acima dos 40 anos.

Qual o percentual de redução de problemas no parto e mortes:

As complicações durante a gestação, parto e pós-parto (puerpério) são a décima causa de mortes entre mulheres. Com acompanhamento adequado ao pré-natal e parto, consegue se evitar grande parte dessas mortes.

Em 2004, o Ministério da Saúde lançou o Pacto pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal, em parceria com estados, municípios e sociedade civil.

Em dois anos de atividades, houve uma queda de 7,3% da mortalidade neonatal (bebês com até 28 dias de vida), e 8,7% de redução da mortalidade infantil (crianças até 1 ano). Esse programa foi considerado pela ONU uma experiência modelo para outros países.


Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do