Pular para o conteúdo principal

Dia Mundial de Luta Contra a AIDS - 1 de Dezembro

ORIGEM DA DATA

Em 1º de dezembro, comemora-se o Dia Mundial de Luta Contra a AIDS.
A data foi criada com o intuito de lembrar o combate à doença e chamar a atenção para a necessidade da prevenção, aumentar a compreensão sobre a síndrome e despertar o sentimento de solidariedade aos infectados.

A data foi instituída pela Assembléia Mundial de Saúde, com apoio da ONU, em outubro de 1987.

O QUE É AIDS? QUANDO SURGIIU?

AIDS é a sigla em inglês para Acquired Immunodeficiency Syndrome ou, para nós, Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Recebeu o nome AIDS, imunodeficiência adquirida, para diferenciá-la de imunodeficiências de outras origens. É definida como síndrome, pois não tem uma manifestação única, caracteriza-se pelo aparecimento de várias doenças sucessivas e/ou simultâneas, devido ao enfraquecimento das defesas do organismo. Estas doenças que surgem em decorrência da deficiência imunitária do indivíduo são chamadas doenças oportunistas e representam a principal causa de óbito nos infectados pelo vírus.

A AIDS foi reconhecida em meados de 1981, nos EUA, a partir da identificação de um número elevado de pacientes adultos jovens, do sexo masculino, homossexuais, moradores de São Francisco e Nova York, que apresentavam Sarcoma de Kaposi, pneumonia por Pneumocystis carinii e comprometimento do sistema imune. Estas características levaram à conclusão de que se tratava de uma doença até então desconhecida e ainda não classificada, provavelmente infecciosa e transmissível.

Posteriormente alguns casos ocorridos nos últimos anos da década dos 70, foram identificados como tendo sido AIDS.

No Brasil, a AIDS foi diagnosticada pela primeira vez em 1982, em sete pacientes homo ou bissexuais. Um caso foi reconhecido retrospectivamente, no estado de São Paulo, como tendo ocorrido em 1980.

Foram vítimas da síndrome pacientes de hemodiálise ou submetidos a transfusões de sangue em cirurgias, pois o sangue utilizado na época do descobrimento da doença não era testado.

Hoje, a hemodiálise e a transfusão são seguras.

LAÇO VERMELHO

Foi adotado como símbolo internacional para o Dia Mundial de Luta contra a AIDS o laço vermelho, com intuito de demonstrar o apoio à causa, expressando visualmente à solidariedade aos doentes, e a preocupação com a doença.

A AIDS NO BRASIL

Até junho de 2010, haviam sido contabilizados 592.914 casos da doença desde 1980. A epidemia tem se mantido estável. Sua taxa de incidência tem sido de na faixa de 20 casos por 100 mil habitantes. Em 2009 foram notificados 38.538 casos da doença.

Analisando pela forma de transmissão entre maiores de 13 anos, a principal forma de contágio é por relação sexual. Em 2009, 94,9% dos casos de mulheres infectadas, a doença foi contraída em relação heterossexual com portadores do vírus. Nos homens, 42,9% em relações heterossexuais, 19,7% homossexuais e 7,8% bissexuais.

LUTA CONTRA A AIDS EM 2011 DISCUTE A VULNERABILIDADE

Segundo o Ministério da Saúde este ano a campanha enfocará os jovens gays das classes C, D e E, buscando discutir questões relacionadas à vulnerabilidade ao HIV/AIDS, na população prioritária, sob o ponto de vista do estigma e do preconceito.

Além disso, a ideia é estimular a reflexão sobre a falsa impressão de que a AIDS afeta apenas o outro, distante da percepção de que todos estão vulneráveis.

O público secundário das ações serão os profissionais de saúde, educação e a comunidade escolar, através da mídia (TV, rádio, internet, cartazes e folders).

O PRESERVATIVO

O método mais eficaz de evitar o contágio é o uso do preservativo, a popular “camisinha”. Mantenha sempre consigo e esta dica é válida para homens e mulheres para garantir relações seguras.

ALGUMAS PERSONALIDADES VÍTIMAS DO HIV

Foram vítimas do vírus HIV o cartunista Henfil e seu irmão Herbert de Souza, o “Betinho” (hemofílicos); os cantores Freddie Mercury, Cazuza e Renato Russo e os atores Sandra Bréa, Claudia Magno, Carlos Augusto Strazzer, Lauro Corona, Thales Pan Chacon, Rock Hudson, entre outros.

Fonte: Editoria HelpSaúde.
Quer fazer parte do nosso blog? Envie um artigo para artigos@helpsaude.com.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mitos e verdades sobre a friagem e o golpe de ar

Leva o casaco! O inverno está chegando, e com ele alergias, gripes e outras doenças respiratórias. Essa estação do ano também trás a famigerada friagem, e as mães e avós ficam em polvorosa recomendando casaquinhos e agasalhos. Mas será que o tal golpe de ar, que ocorre quando saímos de um banho quente, quando abrimos a geladeira, quando bate um vento, e em vários outros momentos, realmente faz mal para saúde? É inegável que muitas pessoas associam friagem e golpes de ar à maior incidência de gripes. Afinal, no inverno, gripes e resfriados são sim mais comuns.  Diversos estudos já foram feitos, desde 1950, para avaliar essa correlação e nenhum desses jamais comprovou essa teoria. Eles indicam que a friagem e golpes de ar não têm influência sobre o desenvolvimento de tais doenças, que isso é uma crendice. Na verdade, gripes, resfriados e infecções respiratórias são doenças infecciosas, provocadas por micróbios que se alojam no aparelho respiratório e causam tosses, espirros, cor

Os Perigos escondidos nos Alimentos: Peixe-espada

Sabiam que pode ser perigoso consumir certos peixes? Médicos alertam sobre os danos que podem ser causados por metais pesados, presentes em grandes quantidades em alguns peixes.  O alerta serve especialmente para mulheres que estão grávidas ou planejando ficar. O Dr. Philip Landrigan, pediatra da escola de medicina de Mount Sinai, diz que nesse período, evitar peixes com muito mercúrio é uma prioridade. O peixe-espada contém níveis elevados de mercúrio, um metal que pode danificar fetos em desenvolvimento e até causar ataques cardíacos em adultos. No entanto, sabemos da importância de se comer peixes regularmente, para se obter a dose diária de omega-3, um ácido graxo que diminui a quantidade de colesterol ruim no sangue (LDL) e aumenta a do colesterol bom (HDL).  A solução? Comam peixes que não contêm grandes quantidades dessas substâncias nocivas, como o salmão, atum e truta e façam rotineiramente um check-up preventivo . Equipe HelpSaúde Fonte: Rodale DISCLAIMER:

Estados Unidos questionam o pânico da H1N1

Com toda a movimentação da mídia, dos governos, previsões catastróficas e vacinas compradas às pressas, os americanos e outras nações começam a questionar se todo o movimento mundial em volta da Gripe H1N1 não traria mais malefícios para a sociedade do que a própria epidemia. Notícias como "A Gripe Suína já matou 600 pessoas nos EUA e já corresponde a 97% das novas infecções" assustam qualquer um, mas tomam nova perspectiva quando vemos que 36.000 pessoas morrem anualmente para a "gripe comum" (gripe sazonal). Medidas bem intencionadas podem ser exageradas às vezes, como um excesso de escolas fechadas, e tendem a espalhar o pânico na sociedade, alimentando um medo que não corresponde à gravidade da situação. Não que devamos abstrair dos cuidados, mas é melhor para todos quando damos o devido peso às situações. Os estadunidenses já passaram por várias situações de pânico da população que no final não se converteram em tragédias, como o medo do antraz, do bug do